Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.734,61
    -646,82 (-1,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,21 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,17 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Investigado por disseminar fake news, Allan dos Santos é acusado de litigância de má-fé pelo Google

·2 min de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  27-05-2020, 12h00: Na foto, Allan acompanha os agentes da PF até o portão. Polícia Federal realiza busca e apreensão na casa do blogueiro de direita Allan Santos, do blog Terça Livre. O mandado foi expedido pelo ministro do STF Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito que apura fake news contra o STF. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 27-05-2020, 12h00: Na foto, Allan acompanha os agentes da PF até o portão. Polícia Federal realiza busca e apreensão na casa do blogueiro de direita Allan Santos, do blog Terça Livre. O mandado foi expedido pelo ministro do STF Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito que apura fake news contra o STF. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em batalha jurídica com o influenciador bolsonarista Allan dos Santos, o Google afirma que o dono do site Terça Livre faz afirmações falsas e distorce fatos deliberadamente no processo, e pede sua condenação por litigância de má-fé.

Na quinta-feira (21), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, ordenou a prisão de Santos. A detenção foi determinada a pedido da Polícia Federal. A PGR (Procuradoria-Geral da República), por sua vez, foi contrária à medida.

Santos é investigado no Supremo no inquérito que apura a disseminação de fake news e ataques a integrantes da Corte e no que identificou uma milícia digital que atua contra as instituições democráticas do país.

O pedido do Google, feito na quinta-feira (14), se deu após os advogados de Santos alegarem que o Google descumpriu decisão da Justiça de SP quando tirou do ar o canal do Terça Livre no YouTube.

No entanto, diz o Google, o influenciador omitiu que havia sido informado que o motivo da exclusão havia sido a determinação de suspensão do canal por parte do Supremo Tribunal Federal e que ele havia sido informado disso.

A empresa anexou email enviado ao Terça Livre em que informa o motivo da remoção do canal.

Como mostrou o Painel, nas últimas semanas o Instagram, YouTube e Twitter suspenderam as contas de Santos e do seu site, o Terça Livre, também por ordem de Moraes no inquérito das mílicias digitais.

O Google diz que Santos apresenta "postura deliberada e sistemática de falsear a verdade para induzir percepções erradas no Poder Judiciário e/ou se valer do processo para fins de agitação midiática".

O YouTube, controlado pelo Google, retirou o canal do ar o Terça Livre no final de janeiro, após reiteradas infrações a regras da plataforma. Allan recorreu à Justiça e desde então as partes se enfrentam no Tribunal de Justiça de São Paulo.

No começo de janeiro, o Terça Livre publico u um vídeo que apresentava alegações falsas de que fraudes teriam afetado o resultado das eleições nos Estados Unidos, nas quais Donald Trump foi derrotado. O material foi removido pelo YouTube e o canal foi advertido.

Cinco dias depois, em 12 de janeiro, o Terça Livre publicou vídeo em que Trump falava sobre o ataque ao Capitólio e, segundo os advogados, romantizava os atos de violência política. O vídeo também foi excluído pelo YouTube e o Terça Livre recebeu suspensão de sete dias.

No dia seguinte à suspensão, o Terça Livre fez live em canal alternativo, o que culminou na decisão do Google de excluí-los da plataforma. Em fevereiro, Allan recorreu ao mesmo expediente e publicou conteúdo nos canais Cortes do Terça Livre e AllanDosSantos, que então também foram retirados de circulação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos