Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.876,95
    +1.371,21 (+4,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Investigado na CPI, Wizard disse que cuidava de contratos do governo e prometeu 'forrar o Brasil' com cloroquina

·1 minuto de leitura

Investigado na CPI da Covid por integrar um suposto gabinete paralelo no governo, o empresário Carlos Wizard afirmou, em maio do ano passado, que recebeu a missão do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello de acompanhar contratos públicos para a compra de medicamentos. Na época, Wizard prometeu "forrar o Brasil" com fármacos como a hidroxicloroquina. De acordo com ele, a ideia era usar o remédio, que se mostrou comprovadamente ineficaz contra a Covid-19, na fase inicial da doença.

— A missão que o general me passou foi de acompanhar os grandes fornecedores, os grandes contratos, porque você sabe que o orçamento do Ministério da Sáude é um dos maiores da União, cerca de R$ 150 bilhões. Logo, logo você vai ver que o Brasil vai ser forrado de medicamentos, na fase ainda inicial do tratamento, cloroquina, hidroxicloroquina, ou seja, alguns fornecedores são nacionais, mas tem muita coisa que não é fabricada no Brasil e dependemos de fornecedores estrangeiros — disse Wizard, em entrevista à Revista IstoÉ.

Com a chegada de Pazuello ao ministério da Saúde, em abril do ano passado, Wizard se tornou conselheiro sem remuneração no governo. O empresário foi peça-chave para negociar a compra de insumos para a produção da cloroquina e hidroxicloroquina, importados da Índia, lidando com a burocracia. Questionado sobre o assunto, ainda em 2020, ele negou qualquer rumor de que o negócio tenha sido feito por intermédio de suas empresas. “Nós vendemos pizza”, brincou.

O curto período na posição de conselheiro terminou de maneira abrupta em junho do ano passado, justamente quando o empresário foi convidado para ocupar um cargo efetivo no ministério, na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Ele recusou a oferta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos