Mercado abrirá em 9 h 43 min
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,40
    +0,23 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.871,80
    +3,80 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    13.547,15
    +116,47 (+0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,74
    +23,06 (+9,50%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.509,39
    -77,21 (-0,31%)
     
  • NIKKEI

    23.152,24
    -179,70 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    11.197,50
    -145,25 (-1,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7507
    +0,0051 (+0,08%)
     

Investigação contra Guedes na Operação Greenfield é arquivada

Isadora Peron e Luísa Martins
·1 minuto de leitura

Procuradores acusavam o ministro de ter participação em um esquema que gerou prejuízo a fundos de pensão e investidores A Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1) decidiu arquivar a investigação aberta contra o ministro da Economia, Paulo Guedes, na Operação Greenfield, que apura supostas fraudes em fundos de pensão. O julgamento foi iniciado em 22 de setembro, com o voto do relator Ney Bello, e retomado nesta terça-feira. A decisão foi unânime. Os magistrados entenderam que não ficou comprovado que houve crime ou fraude por parte de Guedes. Eles apontaram, por exemplo, que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu não investigar o ministro. Os procuradores da Greenfield acusavam Guedes de ter participação em um esquema que gerou prejuízo de mais de R$ 72 milhões em perdas para fundos de pensão e de cerca de R$ 700 milhões para os investidores. A decisão do TRF-1 atendeu a um pedido apresentado pelos advogados de Guedes, Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso. “É uma vitória da sociedade e do direito de defesa. A decisão do TRF reconhece os elementos técnicos que sempre pautaram a defesa de Paulo Guedes no processo: os fundos foram lucrativos e todos os atos foram íntegros, dentro das regras de mercado e do mais alto padrão ético. Aliás, nos mesmos termos já reconhecidos pela CVM”, disse a defesa em nota. O texto diz ainda que o que se espera agora é que Guedes “tenha tranquilidade para cuidar das inúmeras tarefas que seu cargo exige e não seja perseguido por divergências políticas com o órgão acusatório”. Marcelo Camargo/Agência Brasil