Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -0,32 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    36.641,28
    +1.640,62 (+4,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -43,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3864
    +0,0729 (+1,15%)
     

Investidores se preparam para 2021 agitado no Chile

Justin Villamil e Matthew Malinowski
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Investidores no Chile se preparam para um ano tumultuado com duas eleições e a redação de uma nova Constituição, processos que testarão a reputação do país como o mercado mais estável e favorável aos negócios da América Latina.

Em abril, os cidadãos devem escolher os representantes de uma Assembleia Constituinte para redigir a nova Carta Magna, antes de retornar às urnas em novembro para as eleições presidenciais e parlamentares. E, com a rejeição aos partidos tradicionais em alta após meses de violenta agitação social, investidores têm pouca ideia do que acontecerá nas votações.

Muitos investidores creditam a Constituição atual por sustentar mais de três décadas de rápido crescimento, disciplina fiscal e lucros corporativos crescentes que deram ao Chile a maior classificação de crédito soberano da América Latina. Para a esquerda, a Assembleia Constituinte é uma oportunidade para derrubar o legado do capitalismo desenfreado de Augusto Pinochet e as profundas desigualdades que consagra. Enquanto isso, investidores prendem a respiração.

“Parece que o Chile vai enfraquecer suas regras fiscais lendárias e tão imitadas”, disse Michael Roche, estrategista da Seaport Global Holdings, de Nova York, que recomenda a venda da dívida do governo chileno em favor de títulos soberanos do Uruguai. “É provável que estejam embarcando em algo susceptível de perturbar este modelo a ponto de poder ser anulado.”

Os chilenos votaram por uma maioria de quase 80% para reescrever a Constituição em um referendo em outubro, demonstrando a intensidade do sentimento em um país devastado pela agitação social há mais de um ano. Essa explosão de descontentamento paralisou grande parte do país, derrubando o peso e provocando uma rara intervenção do banco central.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.