Mercado fechará em 1 h 56 min
  • BOVESPA

    106.042,48
    -76,52 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.905,06
    +36,24 (+0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,17
    +0,43 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.869,60
    +8,10 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    18.353,41
    -101,34 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    362,67
    +1,24 (+0,34%)
     
  • S&P500

    3.559,31
    +1,77 (+0,05%)
     
  • DOW JONES

    29.418,71
    +155,23 (+0,53%)
     
  • FTSE

    6.351,45
    +17,10 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    26.451,54
    +94,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.908,00
    -79,25 (-0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3799
    +0,0727 (+1,15%)
     

Investidores públicos planejam aumentar alocação em títulos de governo em busca por segurança

Por Tom Arnold
·1 minuto de leitura

Por Tom Arnold

LONDRES (Reuters) - Mais instituições públicas, incluindo bancos centrais, fundos soberanos e fundos de pensão públicos, planejam aumentar sua presença em títulos do governo ao invés de reduzirem investimentos nesses mercados, à medida que planejam reforçar segurança em meio à pandemia de Covid-19 .

Mais de um quarto das 71 instituições públicas consultadas disseram que estavam procurando aumentar suas alocações em títulos do governo, contra 13% que afirmaram que pretendiam diminuir o investimento, de acordo com sondagem realizada pelo Fórum Oficial das Instituições Monetárias e Financeiras (OMFIF, na sigla em inglês).

Foi a primeira vez na história da pesquisa anual que a maioria dos investidores indicou demanda crescente por dívida do governo, depois de vários anos longe dos investimentos em títulos de baixo rendimento.

A pesquisa, realizada entre abril e junho, consultou 750 instituições, incluindo 490 fundos públicos de pensão, 174 bancos centrais e 86 fundos soberanos cuja carteira de ativos totalizava cerca de 39,5 trilhões de dólares.

Ao mesmo tempo, muitos investidores públicos também planejavam comprar ativos de risco, como ações e infraestrutura, principalmente em economias desenvolvidas.

E, apesar das preocupações com correções de preços relacionadas à pandemia, 30% das instituições disseram que planejavam aumentar sua alocação em ações, muitas delas significativamente, com apenas 5% visando reduzir a compra desses ativos.