Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.556,19
    -383,38 (-1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

Investidores monitoram temores de aperto monetário no mercado

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar tinha pouca alteração frente ao real nesta segunda-feira (5), em sessão de volumes reduzidos devido ao feriado nos Estados Unidos, enquanto investidores continuavam monitorando temores internacionais de aperto monetário e o noticiário eleitoral doméstico.

Às 9h10 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,07%, a R$ 5,1829 na venda.

Na B3, às 9h10 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,26%, a R$ 5,2180.

Na sexta-feira (2), o dólar comercial caiu 0,97%, cotado a R$ 5,1870. O dólar também perdeu fôlego globalmente, um dia após ter alcançado a maior valorização em duas décadas.

O Ibovespa, índice de referência da Bolsa de Valores, fechou em alta de 0,42%, aos 110.864 pontos.

Dados do Departamento de Trabalho dos Estados Unidos demonstraram ligeiro aumento do desemprego, gerando expectativa de que a política de elevação de juros para controle da inflação no país esteja fazendo efeito.

Com isso, parte do mercado avalia que o Fed (Federal Reserve, o banco central americano) poderá ser menos rigoroso com o seu aperto monetário.

A geração mais fraca de vagas em agosto não quer dizer que o mercado de trabalho americano está com o pé no freio. Mas o relatório ameniza preocupações ao mostrar que o Fed poderá ter sucesso em esfriar a economia sem necessariamente promover uma elevação de juros muito acima do que o esperado.

Juros muito altos nos Estados Unidos tendem a motivar investidores de todo o mundo a aplicarem na renda fixa americana, mais precisamente, nos títulos do Tesouro do país. Isso diminui a disponibilidade de dinheiro para o investimento em ações de empresas.

Há consenso entre analistas sobre a necessidade de aperto ao crédito para equilibrar a relação entre oferta e demanda no consumo. Mas uma alta exagerada dos juros pode significar uma recessão global.

Em um cenário otimista, a taxa de juros do país, hoje na casa de 2,5%, será elevada em mais 0,50 ponto percentual na reunião do Fed deste mês.

Já um aumento de 0,75 ponto, repetindo a dose aplicada nas duas reuniões mais recentes, seria considerado agressivo.

Com Reuters