Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.206,71
    +1.133,07 (+2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Investidores do Facebook miram resultados de aposta no e-commerce para impulsionar venda de anúncios

Katie Paul
·2 minuto de leitura
Investidores do Facebook miram resultados de aposta no e-commerce para impulsionar venda de anúncios

Por Katie Paul

PALO ALTO (Reuters) - O Facebook pode enfrentar questões sobre as consequências das controvérsias eleitorais nos Estados Unidos quando divulgar seus resultados nesta quarta-feira, mas o principal para investidores é uma questão menos política: a forte aposta da empresa no e-commerce para impulsionar as vendas de anúncios.

A maior empresa de mídia social do mundo está prestes a colher os frutos dessa jogada, dizem os analistas, impulsionada por um retorno nas taxas de crescimento de anúncios aos níveis pré-Covid e um impulso nas compras de fim de ano com seus novos recursos de "social commerce".

Wall Street espera que a empresa registre alta de até 25% nas vendas no quarto trimestre, para 26,4 bilhões de dólares, de acordo com dados IBES da Refinitiv.

Investidores estarão atentos a sinais de desempenho de novos recursos de compras, incluindo ferramentas como o Facebook Pay, que permitem compras dentro do aplicativo nas divisões Instagram e WhatsApp, bem como no aplicativo homônimo da empresa.

"Este investimento em e-commerce parece ter começado a dar frutos, já que as empresas off-line estão procurando mais atividades online", escreveram os analistas do BofA Global Research.

Investidores também buscarão guidance sobre os planos da empresa de integrar mensagens em seu conjunto de aplicativos e introduzir compras no Reels, um produto de vídeos curtos dentro do Instagram que pretende competir com o TikTok, disseram.

Ainda assim, o Facebook provavelmente enfrentará questões sobre as queixas antitruste dos EUA, mudanças de privacidade na última atualização do iOS da Apple e o papel do grupo nos protestos recentes do Capitólio, bem como o impacto comercial de sua decisão de suspender o ex-presidente dos EUA Donald Trump.

O Facebook será a primeira empresa de tecnologia apoiada em anúncios a divulgar seus resultados nesta temporada. O Google, da Alphabet, o Twitter, o Snap e o Pinterest apresentarão seus dados nas próximas semanas.