Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    42.380,06
    +665,10 (+1,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Investidores de emergentes apostam em títulos com risco da delta

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Investidores de mercados emergentes aumentam as apostas em títulos e reduzem a exposição a ações, uma tendência que deve se intensificar diante do impacto da variante delta do coronavírus sobre economias em desenvolvimento com baixas taxas de vacinação.

Os títulos registram entradas líquidas há 11 meses consecutivos, o período mais longo segundo dados coletados desde o início de 2018 pelo Instituto de Finanças Internacionais. As entradas aumentaram para US$ 99,2 bilhões nos seis meses até junho contra saques em ações de US$ 2,2 bilhões, de acordo com os dados, que monitoram mercados emergentes exceto a China.

As ações não atraem mais fundos do que os títulos desde novembro, quando avanços em relação às vacinas e a eleição de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos aumentaram o otimismo em relação à economia global.

O quadro não mudará tão cedo porque o risco da variante delta para os mercados emergentes ainda não foi totalmente precificado, disse Paul Sandhu, chefe de soluções multiativos na BNP Paribas Asset Management Asia. O gestor prefere a ponta longa da curva em mercados emergentes de alto rendimento, como Rússia, Colômbia e Turquia.

Arun Sai, da Pictet Asset Management em Londres, também diz que prefere títulos de mercados emergentes a ações. Segundo o estrategista sênior de multiativos, as ações de mercados emergentes só atraem fluxos sustentados quando oferecem uma perspectiva superior em comparação com países desenvolvidos.

O indicador MSCI de ações de mercados emergentes acumula queda de quase 9% em relação ao pico de meados de fevereiro deste ano, enquanto um índice de títulos em dólar do JPMorgan Chase mostra alta de 5% em relação a uma mínima no início de março. Um indicador de dívida pública em moeda local de mercados emergentes sobe cerca de 2,7% em relação à mínima do final de março.

“Os títulos continuam a ser os principais diversificadores do portfólio para muitos investidores, e a dívida de mercados emergentes oferece rendimentos muito atraentes”, disse Sandhu, do BNP, que trabalha em Hong Kong. “Por outro lado, as entradas em ações foram altamente concentradas nos mercados dos Estados Unidos, em não nos mercados emergentes.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos