Mercado abrirá em 6 h 43 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,49
    -0,33 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.827,30
    +3,30 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    49.298,18
    -1.736,14 (-3,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.360,92
    -26,98 (-1,94%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    6.963,33
    -41,30 (-0,59%)
     
  • HANG SENG

    27.973,50
    +254,83 (+0,92%)
     
  • NIKKEI

    28.090,12
    +642,11 (+2,34%)
     
  • NASDAQ

    13.179,25
    +79,00 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4143
    +0,0018 (+0,03%)
     

Investidores elevam pressão por maior diversidade nas empresas

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Acionistas estão fazendo o maior esforço já realizado para fazer com que as empresas nos Estados Unidos se pareçam mais com o país.

Um recorde de 30 resoluções com foco em diversidade, equidade e inclusão estará na pauta das próximas reuniões anuais das empresas, de acordo com dados compilados pela Bloomberg Intelligence. Auditorias raciais surgiram como uma nova proposta apresentada a bancos de Wall Street e outras empresas, incluindo a Amazon.com.

“Sem dúvida, a diversidade foi colocada em primeiro plano”, disse Heidi Welsh, do Instituto de Investimentos Sustentáveis, com sede em Boonsboro, Maryland. “Quando você vir mais empresas mudarem de ideia, os malfeitores ficarão de fora.”

Os executivos estão enfrentando crescentes demandas de investidores, clientes e funcionários para garantir que sua força de trabalho - especialmente na alta administração - reflita a diversidade geral da população dos Estados Unidos. A pressão vem na esteira dos maiores protestos pelos direitos civis em décadas e em meio ao histórico de que minorias qualificadas muitas vezes perdem oportunidades de carreira e promoções para homens brancos. A pandemia global aumentou as desigualdades entre mulheres e negros que experimentaram as piores perdas de empregos desde março passado.

As questões sociais, que incluem tópicos como preços de produtos farmacêuticos, pagamento dos trabalhadores e análise das cadeias de abastecimento, acumularam um total de 92 resoluções para a temporada de votação por procuração em assembleias neste ano, de acordo com a Bloomberg Intelligence. Isso se compara a 43 para propostas de governança e 30 para o meio ambiente computadas até 15 de abril.

A influência nas empresas - por meio de lobby e contribuições políticas - constituíram o maior tema social com 34 resoluções. Uma dessas propostas foi apresentada pela investidora Rhia Ventures sobre o JPMorgan Chase.

A Rhia Ventures deseja que o JPMorgan publique um relatório anual detalhando seus gastos em contribuições políticas porque avalia que os gastos do banco com esse foco parecem estar desalinhados com seus valores e interesses declarados. O investidor disse que o JPMorgan financiou um grupo que liderou esforços para impedir a aplicação de leis de energia limpa e realizou doações a candidatos que se opõem à igualdade LGBTQ.

O JPMorgan disse que suas atividades políticas são descritas em detalhes em seu site.

Dada a forma como as empresas estão assumindo posições mais firmes em tópicos sociais, desde relações raciais até mudanças climáticas, os investidores querem garantir que as empresas não sejam contraditórias em seus lobbies, disse Rob Du Boff, analista ESG da Bloomberg Intelligence.

“Os acionistas estão vendo a necessidade de as empresas se explicarem à medida que assumem cada vez mais uma posição pública sobre as questões”, disse ele.

BlackRock e Vanguard

Além de perder lucros maiores, empresas com liderança e força de trabalho homogêneas correm o risco de pagar um preço alto. A BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, e o Vanguard Group disseram que votarão contra diretores que deixam de atuar na diversificação de seus conselhos e força de trabalho neste ano. E a partir de 2022, a empresa Serviços Institucionais ao Acionista disse que irá recomendar a votação contra diretores de todas as empresas dos índices Russell 3000 ou S&P 1500 cujos conselhos não são suficientemente diversificados.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.