Mercado abrirá em 9 h 26 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,08
    +0,59 (+0,85%)
     
  • OURO

    1.780,60
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    50.849,67
    +2.007,54 (+4,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.312,38
    +52,23 (+4,14%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.561,82
    +212,44 (+0,91%)
     
  • NIKKEI

    28.214,76
    +287,39 (+1,03%)
     
  • NASDAQ

    15.863,25
    +20,50 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4258
    +0,0022 (+0,03%)
     

Investidores da Boeing chegam a acordo em processo de segurança sobre 737 MAX, dizem fontes

·2 min de leitura

Por Eric M. Johnson e David Shepardson

SEATTLE/WASHINGTON (Reuters) - Investidores da Boeing Co chegaram a um acordo com os atuais e ex-executivos da empresa para resolver uma ação judicial sobre a supervisão da segurança do 737 MAX, disseram na quinta-feira duas pessoas familiarizadas com o assunto.

O acordo proposto deve ser apresentado nos próximos dias no Tribunal da Chancelaria de Delaware e está sujeito à aprovação de um juiz, disseram as pessoas. Uma das pessoas acrescentou que a parte monetária do acordo poderia ficar em torno de 250 milhões de dólares e seria paga pelas seguradoras.

Um porta-voz da Boeing não quis comentar. Os advogados que representam os demandantes não responderam imediatamente a um pedido de comentários.

O acordo foi revelado primeiramente pelo Wall Street Journal.

Em fevereiro, o Controlador do Estado de Nova York Thomas DiNapoli, que lidera o fundo de pensão estadual, e outros investidores argumentaram que o conselho da Boeing violou seus deveres fiduciários e agiu com negligência grosseira ao não "monitorar a segurança dos aviões 737 MAX da Boeing".

A ação, também movida no Tribunal da Chancelaria de Delaware, alega que o conselho não desenvolveu nenhuma ferramenta para avaliar e monitorar a segurança do avião até que os acidentes do 737 MAX na Etiópia e na Indonésia mataram 346 pessoas em um período de cinco meses, e a frota ficou parada.

Em março, a Boeing pediu ao tribunal de Delaware que rejeitasse o processo dos acionistas, dizendo que o conselho da Boeing havia se envolvido em uma supervisão "robusta e bem estabelecida" do desenvolvimento do jato.

Em sua moção para indeferir o pedido, a Boeing disse que os reclamantes ignoraram "os sistemas robustos que estavam em vigor há muito tempo" para manter o conselho informado sobre questões de risco significativas.

A Boeing reconheceu, como parte de um acordo de processo adiado com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos em janeiro, que a empresa ocultou detalhes sobre um sistema de controle de voo crucial no centro dos dois acidentes da Administração Federal de Aviação dos EUA.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos