Mercado fechará em 55 mins
  • BOVESPA

    109.530,26
    +2.151,34 (+2,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.779,49
    +512,29 (+1,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,93
    +1,87 (+4,34%)
     
  • OURO

    1.802,90
    -34,90 (-1,90%)
     
  • BTC-USD

    19.142,94
    +690,98 (+3,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,77
    +10,02 (+2,71%)
     
  • S&P500

    3.634,13
    +56,54 (+1,58%)
     
  • DOW JONES

    30.084,85
    +493,58 (+1,67%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.038,75
    +133,50 (+1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3930
    -0,0473 (-0,73%)
     

Investidores com US$ 3 tri sob gestão pedem diversidade racial

Kelsey Butler
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Uma nova coalizão de investidores institucionais e consultores, que administram mais de US$ 3 trilhões em ativos, pressiona empresas de capital aberto nos EUA a divulgarem a composição racial dos conselhos, em uma tentativa de aumentar a diversidade de diretores corporativos.

A Diversity Disclosure Initiative, liderada pelos tesoureiros do estado de Illinois, Michael Frerichs, e do estado de Connecticut, Shawn Wooden, pressiona empresas do índice Russell 3000 a revelar voluntariamente a composição racial e étnica de seus conselhos. Muitos dos membros do novo grupo já têm ou avaliam políticas para votar contra indicados dos comitês que não divulgam a composição racial ou étnica dos conselhos em suas declarações anuais.

Em carta enviada na quarta-feira a todos os componentes do índice - que inclui a maioria das empresas de capital aberto nos Estados Unidos -, o grupo pede maior divulgação após os protestos do movimento Black Lives Matter que se seguiram ao assassinato de George Floyd pela polícia no início do ano. O consórcio pede às empresas listadas que não divulgam dados raciais, étnicos e de gênero em declarações de procuração que o façam em documentos futuros a partir de 2021. Atualmente, poucas empresas divulgam essas informações.

A carta do grupo afirma que seus membros já ajudaram a fazer lobby por mais diversidade de gênero nos conselhos corporativos. Mulheres agora respondem por 22,6% dos assentos de conselhos das maiores empresas do Russell 3000, um aumento de 6,5 pontos percentuais nos últimos quatro anos.

Muitas empresas americanas estão, pela primeira vez, divulgando a raça de seus funcionários. Como parte de um impulso do controlador da cidade de Nova York, Scott Stringer, que também assinou a carta, Amazon.com, General Motors e Goldman Sachs estão entre as empresas que neste ano concordaram em divulgar dados raciais, de gênero e etnia da força de trabalho.

“Isso vem do desejo de fazer mais quando nosso país está nesta encruzilhada racial”, disse Wooden, de Connecticut, em entrevista.

A porcentagem de diretores negros continua baixa entre os conselhos das maiores empresas dos EUA, de acordo com análise de 25 de outubro da Russell Reynolds Associates.

A porcentagem de diretores que são negros, asiáticos, hispânicos ou de outras minorias raciais ou étnicas passou de 10% pela primeira vez no ano passado no Russell 3000, de acordo com o estudo. Os diretores negros eram o maior grupo, com 4,1%. No S&P 500, o total de diretores negros aumentou em 2019, mesmo com a queda do número de empresas com diretores negros; 37% dos conselhos não tinham um diretor negro no ano passado, segundo a Russell Reynolds.

Investidores institucionais no setor de gestão de ativos, com cerca de US$ 89 trilhões, podem usar sua influência para fazer as corporações reconhecerem que a diversidade também beneficia os resultados financeiros, disseram Frerichs e Wooden.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.