Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.832,51
    +1.403,14 (+4,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Investidor de unicórnios capta US$ 1 bilhão para América Latina

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Enquanto o planeta entrava em lockdown no ano passado, o investidor de venture capital Hernan Kazah mandou um recado às empresas componentes de seu portfólio de startups de tecnologia na América Latina: cortar custos e preservar o caixa para o que, na visão de Kazah, seria um esforço máximo para sobreviver à pandemia.

Pouco mais de um ano depois, Kazah está menos preocupado com a sobrevivência do setor tecnológico da região e mais com o que ele vai fazer com US$ 1 bilhão em dinheiro que a companhia dele acabou de levantar.

Em vez de dizimar startups, as restrições à circulação impulsionaram o faturamento das empresas de tecnologia, já que os consumidores passaram a usar mais o smartphone — para pedir comida ou cuidar da conta bancária — e ficaram em casa para se proteger da Covid-19.

A Kaszek Ventures, a empresa de capital de risco que Kazah e o sócio Nicolas Szekasy fundaram há uma década após saírem da gigante de comércio eletrônico Mercado Libre — já investiu em diversos dos chamados unicórnios, as startups avaliadas em US$ 1 bilhão ou mais.

À medida que a pandemia avançava, eles enxergaram tantas oportunidades de investimento que adiantaram planos para captar novos recursos, que serão injetados em startups nos próximos anos, disse Kazah em entrevista. O resultado foi a maior rodada de capital de risco da história da América Latina, em mais um sinal de que a região deixou de ser considerada peso-leve em inovação e se tornou uma zona emergente para os investidores globais de tecnologia.

“O início da pandemia foi horrível. As empresas tiveram que recalibrar e ajustar. Mas, depois de um mês e meio, vimos o oposto: a demanda continuou aumentando e aumentando ”, disse Kazah. “Acelerou tanto e havia tantas ideias de investimento realmente excelentes que realmente não queríamos ficar sem munição.” ”

Embora a América Latina tenha sido uma das regiões mais afetadas pela pandemia, isso praticamente não afetou o investimento em capital de risco. No ano passado, o número de negócios foi recorde e os investidores despejaram mais de US$ 4 bilhões em startups pelo segundo ano consecutivo, de acordo com a Associação Latino-Americana de Private Equity e Venture Capital (conhecida como Lavca). A estimativa de investimento no primeiro trimestre passa de US$ 2 bilhões.

Kaszek levantou US$ 475 milhões para investir em startups em estágio inicial e US$ 525 milhões em empresas nas quais já investiu.

Título em inglês:Unicorn Rainmaker Amasses $1 Billion for Latin America Startups

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos