Mercado fechará em 23 mins
  • BOVESPA

    124.809,00
    -1.337,66 (-1,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.188,18
    -52,33 (-0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,02
    +0,11 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.802,20
    -3,20 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    32.237,38
    -60,87 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    779,06
    -14,67 (-1,85%)
     
  • S&P500

    4.413,22
    +45,74 (+1,05%)
     
  • DOW JONES

    35.062,81
    +239,46 (+0,69%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.086,75
    +158,25 (+1,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1411
    +0,0209 (+0,34%)
     

Invasores atacam conta de prefeitura e roubam R$ 185 mil via Pix em 2 minutos

·2 minuto de leitura

A Prefeitura de Sulina, pequena cidade do Paraná com 3 mil habitantes, afirmou nesta última quinta-feira (1) que foi alvo de cibercriminosos. Segundo os funcionários, a conta bancária da instituição foi invadida e, em pouquíssimo tempo, transferiu R$ 185 mil para três pessoas por meio do Pix.

O que chama a atenção no caso é a velocidade das operações: os registros mostram que todas as operações foram feitas em menos de dois minutos. Outro elemento que se destaca é o fato de que tudo foi feito por meio do Pix, sendo que a prefeitura da cidade não havia cadastrado uma chave da tecnologia por questões de segurança.

Segundo o prefeito da cidade, Paulo Horn (PSD), o golpe poderia ter causado ainda mais problemas não fosse a ação rápida do gerente do banco. Ao perceber a movimentação fora do comum, ele bloqueou a conta e impediu que outras quatro transferências fossem feitas pelos cibercriminosos.

Fraude não despertou alertas do banco

O Banco do Brasil, que gerencia a conta da Prefeitura de Sulina, afirmou que não houve registro de invasão ao seu sistema. Os responsáveis pela agência envolvida no caso abriram uma investigação para apurar como o golpe aconteceu, e também prometem descobrir detalhes sobre os perfis para os quais os valores foram enviados — é possível que os criminosos tenham usado identidades roubadas para abri-las e fazer as transferências.

Imagem: Divulgação/Prefeitura de Sulina
Imagem: Divulgação/Prefeitura de Sulina

Outro elemento que será investigado é a forma como os criminosos conseguiram habilitar uma chave Pix em nome da prefeitura da cidade. Ao Bom Dia Paraná, o prefeito Horn afirma que somente três funcionários possuem as chaves necessárias para realizar transferências e pagamentos da administração municipal, e que todos precisam confirmar essas operações usando assinaturas digitais registradas.

O dinheiro roubado pelos cibercriminosos seria usado para pagar o 13º salário dos funcionários do pequeno município. A prefeitura de Sulina registrou um boletim de ocorrência sobre o caso, e a Polícia Civil abriu um inquérito para investigar o caso, classificado como um furto qualificado, mediante fraude por meio eletrônico ou informático.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos