Mercado abrirá em 21 mins
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,88
    -0,35 (-0,48%)
     
  • OURO

    1.770,70
    -8,10 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    43.711,21
    +1.599,55 (+3,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.094,80
    +54,32 (+5,22%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.082,69
    -0,68 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.247,75
    +84,25 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1871
    -0,0217 (-0,35%)
     

Intervenção da China em mercado de petróleo visa baixar preços

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A intervenção sem precedentes da China no mercado mundial de petróleo, com a venda de reservas estratégicas pela primeira vez, tem o objetivo explícito de baixar os preços.

O anúncio ocorre em meio ao aumento dos custos de energia na China, não apenas do petróleo, mas também do carvão e gás natural, e a cortes de eletricidade em algumas províncias, o que obrigou algumas fábricas a reduzirem a produção. A inflação também se acelera rapidamente, um obstáculo político para o governo de Pequim.

Em comunicado na quinta-feira, a Administração Nacional de Alimentos e Reservas Estratégicas disse que o país havia acessado suas gigantescas reservas de petróleo para “aliviar a pressão do aumento dos preços das matérias-primas”. O governo não deu mais detalhes, mas pessoas com conhecimento do assunto disseram que o comunicado fazia referência a milhões de barris que o governo ofereceu em meados de julho.

A agência de reservas chinesa também disse que uma rotação “normalizada” do petróleo nas reservas estatais é “uma forma importante para as reservas cumprirem seu papel no equilíbrio do mercado”, indicando que pode continuar a liberar barris. A agência disse que colocar petróleo das reservas nacionais no mercado por meio de leilões abertos “estabilizará melhor a oferta e a demanda do mercado doméstico”.

Não houve resposta a ligações para as assessorias de imprensa do Conselho de Estado da China e da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma com pedido de comentário fora do horário comercial normal.

A China, maior importadora de petróleo do mundo, acumulou reservas de 220 milhões de barris da commodity na última década, de acordo com a Energy Aspects. Esse colchão difere das reservas estratégicas de petróleo dos EUA e na Europa, conhecidas como SPR na sigla em inglês, que são acessadas apenas durante cortes do fornecimento e guerras. A China, entretanto, sinaliza que está disposta a usar as reservas para tentar influenciar o mercado.

“À primeira vista, é uma declaração bastante clara da intenção de usar a SPR para reduzir os preços do petróleo para refinarias domésticas”, disse Bob McNally, ex-assessor político sênior da Casa Branca que agora comanda a Rapidan Energy Group, uma consultoria em Washington.

A liberação das reservas ocorre depois de a inflação aos produtores da China se acelerar para o maior nível em 13 anos e apenas um mês após a Casa Branca pedir publicamente à Opep para bombear mais petróleo em meio à alta dos preços da gasolina nos Estados Unidos. Juntas, as ações de Pequim e Washington sugerem que os dois maiores consumidores de energia do mundo veem a faixa de US$ 70 a US$ 75 o barril como uma linha vermelha para a cotação do petróleo. O furacão Ida também eliminou parte da produção de petróleo dos EUA, afetando os suprimentos para a chinesa Unipec.

O governo chinês tem conseguido resultados mistos ao usar reservas estratégicas para limitar a alta dos preços das commodities. Embora muitas vezes a liberação das reservas derrube os preços, principalmente quando confirmada, o recuo tende a ser de curta duração.

“A medida da China é, sem dúvida, destinada a aliviar as pressões de alta dos preços sobre os custos crescentes de importação de petróleo”, disse Ryan Fitzmaurice, estrategista de commodities do Rabobank. “É improvável que surja o efeito desejado, a nosso ver. Para começar, sinaliza vulnerabilidade para o mercado financeiro de petróleo e, além disso, não há oferta física suficiente para causar impacto.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos