Mercado abrirá em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,60
    -1,37 (-1,90%)
     
  • OURO

    1.756,80
    +5,40 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    44.273,95
    -3.595,56 (-7,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.102,54
    -122,99 (-10,04%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.850,50
    -113,14 (-1,62%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.157,75
    -168,25 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1860
    -0,0134 (-0,22%)
     

Intervalo menor entre vacinas da Pfizer só depende de entrega de novas doses, diz governo

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 24.06.2021 - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, conversa com jornalistas ao sair do Ministério da Saúde em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 24.06.2021 - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, conversa com jornalistas ao sair do Ministério da Saúde em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, disse nesta segunda-feira (26) que a decisão de reduzir o intervalo recomendado da aplicação da segunda dose da Pfizer já é dada como certa e que a pasta avalia apenas qual o momento de orientar a mudança.

Com a medida, o intervalo deve passar de cerca de três meses para 21 dias. Mais cedo, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse ao jornal Folha de S.Paulo que é "muito provável" que a decisão ocorra nos próximos dias.

"Estamos só estudando para ver qual o melhor 'timing' disso, mas que vai diminuir, vai", afirmou Cruz. Segundo ele, a pasta deve ouvir agora a Pfizer e representantes de secretários de saúde para decidir em que data isso deve ocorrer.

"Vamos conversar com o laboratório para ver qual o cenário do próximo mês de entrega das doses. Além da questão da epidemia, precisamos verificar o cenário de abastecimento", disse.

Até lá, afirma, a recomendação da câmara técnica que assessora o Programa Nacional de Imunizações é de avançar na imunização com a primeira dose.

O prazo de 21 dias de intervalo entre as doses da Pfizer corresponde ao previsto em bula. O ministério, no entanto, decidiu ampliar esse prazo em maio na tentativa de acelerar a vacinação. A medida seguiu experiência adotada também em outros países.

"A câmara técnica já sinalizou que é interessante avançar em imunização em primeira dose, e só então, quando tiver um cenário mais tranquilo de imunizados com a primeira, reduzir o prazo para completar a imunização. Em termos de pandemia, se mostrou interessante imunizar um maior número de pessoas com a primeira dose, porque com isso diminuiria a transmissibilidade do vírus."

"Vamos conversar então com o laboratório, com Conass e Conasems, e quando tivermos uma garantia e um cenário um pouco mais claro do cumprimento de doses do mês de agosto vamos informar a decisão", completou.

Segundo ele, a previsão da pasta é que haja cerca de 63 milhões de doses disponíveis de vacinas em agosto —destas, 33 milhões seriam da Pfizer, 20 milhões da Coronavac e 10 milhões da AstraZeneca/Fiocruz.

Mais cedo, a secretária de enfrentamento à Covid, Rosana Leite de Melo, afirmou que a previsão é que uma decisão seja tomada no próximo mês.

"Hoje o que nos preocupa é a variante delta. Já temos mais de 98 países na qual ela se encontra, e estudos mostram que qualquer vacina protege contra as formas graves da Covid. Então o norteador nosso é vacinar o máximo possível com a D1 [dose 1]. Provavelmente no próximo mês, com as perspectivas de vacinas que chegarão, teremos muitas vacinas, e então pensaremos em reduzir esse intervalo [da Pfizer]."

Ela descarta avaliar medida semelhante para a AstraZeneca, cujo prazo em bula hoje é de 4 a 12 semanas. "A AstraZeneca têm mostrado que quanto maior o intervalo de D1 e D2, melhor a formação de anticorpos neutralizantes. Por isso a única seria a Pfizer, onde inclusive isso [prazo de 21 dias] consta em bula", diz.

Ao comentar sobre a preocupação em relação à variante delta, Melo afirmou ainda que a pasta deve disponibilizar doses extras de vacinas para cidades que ficam nas "faixas de fronteira", ou seja, próximas a outros países, mas não na divisa direta.

Recentemente, segundo a pasta, já foram enviadas doses para 120 municípios que ficam na fronteira propriamente dita.

"Por que definimos vacinar linha de fronteira e faixa de fronteira? Por conta das variantes, para poder formar um cinturão", disse Melo. Segundo ela, a pasta também avalia a possibilidade de enviar doses extras para locais com maior número de casos já identificados da delta.

As declarações ocorreram em coletiva de imprensa. No encontro, Melo disse ainda que a pasta não tem nenhuma recomendação até o momento para aplicação de uma possível terceira dose de nenhum imunizante. Segundo ela, a pasta avalia cenários para uma possível nova rodada de vacinação em 2022, mas o esquema ainda deve ser definido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos