Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.319,70
    -1.255,77 (-1,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.752,05
    +77,75 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,44
    -0,09 (-0,20%)
     
  • OURO

    1.784,00
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    19.322,17
    +970,72 (+5,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,44
    +14,84 (+4,07%)
     
  • S&P500

    3.620,66
    -17,69 (-0,49%)
     
  • DOW JONES

    29.594,76
    -315,61 (-1,06%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    -211,09 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.270,75
    +13,25 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3878
    +0,0132 (+0,21%)
     

Interesse pelo preço de alimentos e dólar bate recorde em 2020

ISABELA BOLZANI
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O interesse dos brasileiros pelo preço de produtos bateu recorde nas buscas do Google em 2020. Um levantamento feito pelo Google Trends aponta que as procuras pelo termo "preço" atingiram o pico do índice de popularidade no site de pesquisas neste ano. Até quinta-feira (29), a busca pela palavra marcava uma média parcial de 94 pontos em outubro --em igual mês de 2019, o indicador estava em 88 pontos. O índice vai de 0 a 100. Dentre os principais destaques estiveram as pesquisas pelo preço de alimentos. O termo com uma das maiores popularidades neste ano foi "preço de arroz", que atingiu 100 pontos em setembro. Na média parcial de outubro, a busca caiu para 20 pontos, mas o índice é mais do que o triplo do registrado no mesmo mês do ano passado, quando marcava 6 pontos. Em setembro, o grão registrou uma disparada nos preços. Segundo produtores de arroz ouvidos na época, o aumento seria resultado de mudanças tanto no mercado externo, com aumento das exportações, quanto no mercado interno, uma vez que o brasileiro passou a comer mais em casa durante a pandemia. Segundo o Google Trends, as pesquisas sobre os preços do arroz subiram 960% neste ano em relação a 2019. A segunda maior alta foi para as buscas para o preço da muçarela (com a grafia "mussarela"), que subiu 560% na mesma base de comparação. As procuras pelo preço da soja também tiveram destaque --atingiram 100 pontos em março . Em outubro, o indicador marca uma média parcial de 59 pontos --valor que ainda representa uma alta de 18% em comparação a igual mês de 2019, quando o indicador registrava 50 pontos no índice de popularidade. Segundo o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), o preço da soja tem batido recordes neste ano, pressionado pelo baixo excedente interno, o cultivo tardio no Brasil e pela valorização externa. Segundo o Google Trends, entre as cinco maiores buscas por preços de alimentos também estavam o leite, o café e o milho. Fora da categoria alimento, o termo mais buscado junto ao tema "preço" foi o dólar. Os riscos de uma segunda onda de coronavírus --situação que prejudicaria a retomada das economias no mundo", a proximidade da eleição nos Estados Unidos e as preocupações com a questão fiscal do Brasil têm levado investidores a buscar ativos de proteção, como é o caso da moeda americana. Além do dólar, os termos "preço do iPhone" e "preço do ouro" também estiveram entre os mais procurados pelos brasileiros. O indicador aponta, ainda, que as pesquisas pelas palavras "está caro" também bateram recorde neste ano. Em setembro, o termo atingiu os 100 pontos pela primeira vez desde o início da série histórica do indicador, em 2004. Em outubro, o índice de popularidade do termo baixou para 62 pontos --mais do que o dobro (158%) de crescimento em relação à pontuação registrada em igual mês do ano passado.