Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.669,55
    +114,96 (+0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Intensidade e frequência de tempestades estão ligadas à variabilidade climática global

·3 minuto de leitura
Intensidade e frequência de tempestades estão ligadas à variabilidade climática global
Intensidade e frequência de tempestades estão ligadas à variabilidade climática global

Pesquisadores da Faculdade de Geociências da Universidade A&M do Texas (TAMU) analisaram as ocorrências de tempestades nas Grandes Planícies do Sul dos EUA, que são algumas das mais fortes da Terra. Eles detectaram que, nos últimos anos, essas tempestades aumentaram em frequência e intensidade, e concluíram que essas mudanças estão ligadas à variabilidade climática global.

Com co-autoria de Christopher Maupin, Courtney Schumacher e Brendan Roark, junto com outros pesquisadores, as descobertas foram publicadas na revista científica Nature Geoscience.

Pesquisadores analisaram as ocorrências de tempestades nas Grandes Planícies do Sul dos EUA, algumas das mais fortes da Terra. Imagem: Chris Maupin / Texas A&M University
Pesquisadores analisaram as ocorrências de tempestades nas Grandes Planícies do Sul dos EUA, algumas das mais fortes da Terra. Imagem: Chris Maupin / Texas A&M University

No estudo, foram analisados isótopos de oxigênio de estalactites de cavernas do Texas de 30 mil a 50 mil anos, para entender as tendências em tempestades anteriores e suas durações, usando calibração baseada em radar para isótopos de chuva da região.

Então, descobriram que, nesses casos, quando os regimes de tempestade mudam de fracamente para fortemente organizados em escalas de tempo milenares, coincidem com mudanças climáticas abruptas e bem conhecidas durante o último período glacial, que ocorreu entre cerca de 120 mil e 11,5 mil anos atrás.

Relação entre tempestades e mudanças nos padrões de vento e umidade se repetem nos dias atuais

Ao trazer essa análise sinótica aos dias modernos, os cientistas responsáveis pelo estudo notaram que as tempestades nas Grandes Planícies do Sul estão fortemente relacionadas às mudanças nos padrões de vento e umidade que ocorrem em uma escala muito maior.

De acordo com o site Phys,org, compreender essas mudanças e correlações não só ajudará a reconstruir ocorrências passadas de tempestades, mas também a prever padrões futuros de tempestades em latitudes médias.

Leia mais:

Schumacher disse que os cientistas entendem os padrões modernos de chuva e acredita que grandes tempestades podem esgotar os isótopos. “No entanto, não sabemos o que acontecerá no futuro, e este trabalho ajudará a prever tendências de tempestades”, disse a pesquisadora. “Se pudermos executar um modelo climático do passado que seja consistente com os registros das cavernas e executar esse mesmo modelo no futuro, podemos confiar que as descobertas mais se correspondem aos registros das cavernas do que se não correspondem. Dos dois modelos, se um realmente corresponder aos isótopos da caverna, então se pode confiar nele para entender a distribuição de tempestades no futuro”, explica.

Maupin, que é paleoclimatologista, descreveu as limitações que existem na captura da verdadeira distribuição dos eventos climáticos ao longo do tempo. “Existem questões realmente importantes sobre o que aconteceu no passado em relação a grandes eventos climáticos que passamos por sistemas convectivos de mesoescala (grandes tempestades) versus coisas de não mesoescala (tempestades menores)”, disse. “Obtemos muita precipitação de tempestades realmente grandes, e os modelos de grades não podem capturar grandes eventos climáticos. A paleoclimatologia ajuda a organizar eventos anteriores para desenvolver um registro proxy de como eles respondem ao clima adverso.”

Maupin colaborou com a Universidade Nacional de Taiwan para fazer a datação de urânio de tório e descobriu que as estalactites e estalagmites eram de fato da Idade do Gelo.

A experiência de Schumacher era necessária para fazer conexões com vários eventos de chuva que ocorreram ao longo do tempo. A pesquisadora tem longa bagagem em trabalhar com dados de radar e medições de chuva em escala global.

“Grandes tempestades que cobrem centenas de quilômetros fornecem cerca de 50% a 80% da chuva no Texas”, disse Schumacher. “Nos dias modernos, essas tempestades têm assinaturas de isótopos diferentes”.

“Essas tempestades são tão grandes, que mesmo que a maior parte da chuva ocorra em Oklahoma, a chuva no Texas ainda carregará a assinatura isotópica dessas enormes tempestades”, afirmou Maupin. “Você está obtendo impressões digitais desses sistemas, independentemente de onde eles ocorrem, e eles não precisam ser superlocalizados para serem reconhecidos. Grandes tempestades causam assinaturas isotópicas esgotadas. Você não pode explicar a variabilidade nas estalactites apenas com as mudanças de temperatura.”

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos