Mercado abrirá em 2 h 45 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,52
    -0,33 (-0,62%)
     
  • OURO

    1.842,10
    -6,80 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    30.951,88
    -734,69 (-2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    623,55
    -4,11 (-0,66%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.463,78
    -103,59 (-1,58%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.963,75
    -141,75 (-1,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Intenção de Consumo das Famílias tem dezembro mais baixo da história

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil
·3 minuto de leitura

O indicador de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), atingiu 72,1 pontos em dezembro, maior resultado desde maio deste ano, quando chegou a 81,7 pontos. Apesar dessa recuperação, os economistas da CNC avaliam que este foi o pior mês de dezembro da série histórica. Em dezembro de 2019, o índice ficou em 96,3 pontos.

O índice ficou abaixo do nível de satisfação (100 pontos), o que vem acontecendo desde abril de 2015 (102,9 pontos). A série com ajuste sazonal apresentou crescimento mensal de 1,2%, quarto crescimento consecutivo e mais intenso do que o observado em novembro (+0,8%). Em relação a dezembro de 2019, entretanto, houve retração de 25,1%. Segundo a CNC, essa foi a nona redução nessa base comparativa.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, analisou que a confiança vem melhorando, mas de forma lenta e gradual. “Como não poderia deixar de ser diante do dramático quadro econômico provocado pela pandemia. Nossa expectativa é que, com a vacinação já planejada pelo governo, esse processo de retomada da confiança tenha continuidade, provavelmente se acelerando nos próximos meses”, comentou.

Reforço

Para a economista Catarina Carneiro, da CNC, os resultados do ICF mostram que as famílias reforçaram a confiança na recuperação econômica. “Essa melhora nos indicadores de curto prazo já está influenciando as expectativas de longo prazo”, destacou. O indicador de Perspectiva Profissional para o próximo semestre apresentou o maior crescimento no mês. Foi registrado também o maior percentual, desde maio de 2020, de famílias com percepção positiva sobre o futuro do mercado de trabalho, lembrou a economista.

Na avaliação por faixa de renda, o ICF revela que as famílias com renda acima de dez salários mínimos externaram nível de insatisfação de 82,6 pontos, com aumento mensal de 1,4% e queda anual de 26,2%. Para as famílias com renda abaixo de dez salários mínimos, o indicador atingiu 70,1 pontos, representando insatisfação, já que o índice permaneceu abaixo dos 100 pontos. Entretanto, no mês houve expansão de 1,2% na confiança nessa faixa de renda, enquanto na comparação anual ocorreu redução de 24,8%.

Emprego

Na questão referente ao Emprego Atual, a maior parte dos entrevistados (32,8%) disse se sentir tão segura com seu emprego quanto no ano passado. A proporção é menor do que no mês anterior (33%) e maior do que em dezembro de 2019 (25,9%). Neste mês, houve a maior proporção desde junho, quando atingiu 21,1%, das famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego, alcançando 20,1% no último resultado. Em dezembro de 2020, houve crescimento mensal de 0,6% nesse item, o quarto seguido, enquanto a variação anual foi negativa em 26,1%. Apesar do avanço no mês, o patamar atingido foi de 88,1 pontos, revelando continuação da insatisfação das famílias nesse item.

A maior parte das famílias (52,2%) demonstrou uma Perspectiva Profissional negativa em dezembro deste ano, contra 54,5% no mês anterior e 42,5%, em dezembro de 2019. Similar ao indicador de Emprego Atual, o percentual de perspectiva positiva em relação ao futuro do mercado de trabalho (39,1%) atingiu a maior taxa desde maio de 2020 (39,6%). O item obteve variação positiva de 3% em dezembro de 2020, a quinta consecutiva, também sendo o maior crescimento do mês. Contudo, na comparação com igual mês do ano anterior, o indicador foi negativo (-17,9%).

As famílias, em sua maioria, consideraram que em dezembro de 2020 o Nível de Consumo Atual foi menor do que no ano passado (59,2%). Em novembro, o indicador atingiu 60,4% e, em dezembro do ano passado, 47,4%. Já a parcela das famílias que consideraram que houve aumento em seu consumo (14,2%) alcançou o maior percentual desde maio, quando marcou 15,4%.