Mercado fechará em 44 mins
  • BOVESPA

    106.123,92
    -2.665,41 (-2,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.201,03
    -1.263,00 (-2,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,13
    -3,27 (-2,91%)
     
  • OURO

    1.819,40
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    29.316,10
    -811,79 (-2,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    655,69
    -14,99 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.925,27
    -163,58 (-4,00%)
     
  • DOW JONES

    31.489,69
    -1.164,90 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.948,00
    -612,25 (-4,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2216
    +0,0112 (+0,21%)
     

Inteligência Artificial quer 'detectar' depressão e ansiedade por som da voz

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Inteligência Artificial quer 'detectar' depressão e ansiedade por som da voz. Foto: Getty Images.
Inteligência Artificial quer 'detectar' depressão e ansiedade por som da voz. Foto: Getty Images.
  • Pesquisadora de Harvard afirma que existem tecnologias capazes de identificar características significativas sobre ansiedade e depressão por meio do som da voz;

  • Atualmente, há aplicativos e ferramentas online que monitoram o estado mental em tempo real;

  • Características vocais que indicam depressão e ansiedade já vêm sendo aproveitadas por pesquisadores de machine learning para prognosticar as enfermidades e elaborar aplicativos e plataformas.

A cada ano que se passa, o que parecia ser cena de filme de ficção-científica vem se tornando realidade. Atualmente, alguns pesquisadores da área de inteligência artificial vêm tentando compreender o estado mental do ser humano por meio do som da voz. As informações são do jornal norte-americano ‘The New York Times’.

"A tecnologia que estamos usando agora é capaz de identificar características significativas que nem mesmo o ouvido humano consegue captar", afirma Kate Bentley, professora da Escola de Medicina Harvard e psicóloga clínica do Hospital Geral de Massachusetts.

A pesquisa sobre o tema continua intensa porque ainda não existem biomarcadores confiáveis para detectar as doenças mentais. Aos poucos, contudo, o cenário parece apontar para um futuro otimista

Leia também:

De acordo com alguns cientistas, a inteligência artificial é preparada para detectar essas mudanças que ocorrem no cérebro humano.

Atualmente, é possível arriscar essa compreensão por meio de um conjunto de aplicativos e ferramentas online que monitoram o estado mental em tempo real, assim como programas que oferecem avaliações de saúde mental por serviço de telemedicina.

Características vocais que indicam depressão e ansiedade já vêm sendo aproveitadas por pesquisadores de machine learning para prognosticar as enfermidades e elaborar aplicativos e plataformas.

Com o uso de algoritmos de aprendizado profundo, é possível detectar padrões e características que podem não ser tão evidentes a especialistas treinados.

Kate Bentley disse ter testado alguns aplicativos de análise da saúde mental, como o 'Fitness', da Sonde Health, companhia de tecnologia para saúde, e o ‘StressWaves Test’, uma ferramenta online gratuita da Cigna, multinacional de cuidados de saúde e seguros.

Aparentemente, uma das maiores dificuldades ainda enfrentadas na elaboração de algumas dessas plataformas é um desenvolvimento de tecnologia atento à imparcialidade individual do paciente, levando em conta idade, gênero, etnia, nacionalidade e diversos critérios demográficos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos