Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.485,70
    -1.691,84 (-1,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.800,90
    -363,11 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,40
    -1,61 (-1,99%)
     
  • OURO

    1.927,90
    -2,10 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    23.113,35
    -18,03 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,97
    +7,97 (+1,54%)
     
  • S&P500

    4.070,48
    +10,05 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.977,42
    +28,01 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.236,75
    +130,00 (+1,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5463
    +0,0266 (+0,48%)
     

Inteligência artificial faz estudo que durava 50 anos em 18 meses

Descoberta pode ajudar a medicina e a indústria farmacêutica (Getty Image)
Descoberta pode ajudar a medicina e a indústria farmacêutica (Getty Image)
  • Inteligência artificial resolveu um dilema investigado 50 anos em 18 meses

  • IA mapeou mais de 20 milhões de estruturas de proteína

  • Descoberta pode ajudar no diagnóstico de doenças e no desenvolvimento de remédios

Identificar estruturas de proteínas tem sido um dos maiores desafios da ciência. O cenário mudou com a chegada da AlphaFold, a Inteligência Artificial criada pela empresa DeepMind, conseguiu analisar e catalogar mais de 200 milhões.

Em apenas 18 meses a IA foi capaz de realizar um trabalho que intrigava a mente humana há décadas. A DeepMind anunciou o feito nesta semana nesta semana, ao anunciar a ampliação do acesso gratuito ao AlphaFold Protein Structure Database (Banco de Dados de Estruturas de Proteína da AlphaFold) para pesquisadores de todo o mundo.

A empresa diz que os modelos elaborados pela tecnologia já foram citados em mais de 4 mil estudos científicos desde que ela foi criada, dois anos atrás.

O projeto nasceu de parceria com o Instituto Europeu de Bioinformática do Laboratório Europeu de Biologia Molecular (EMBL-EBI). Os dados sobre as estruturas das proteínas também foram guardados no UniProt, um repositório de pesquisa de proteínas importante da área.

"Como alguém que trabalha com genômica e biologia computacional desde a década de 1990, vi muitos desses momentos em que você pode sentir a paisagem mudando sob você e o fornecimento de novos recursos, e este foi um dos mais rápidos. Há dois anos, simplesmente não percebemos que isso era viável", disse Ewab Birney, um dos cientistas que trabalhou na pesquisa, em entrevista à publicação Newscientist.

A pesquisa é vista como um movimento que conhecimentos em biologia e ciência básica. Isso pode permitir que os cientistas entendam melhor a evolução de diversas doenças, o que pode ajudar no desenvolvimento de medicamentos e tratamentos daqui para frente.