Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.881,33
    -1.876,02 (-2,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Inteligência emocional, para que te quero?

·3 minuto de leitura

Você provavelmente já ouviu falar em inteligência emocional. Não é incomum que em palestras no mundo corporativo se entoe o hino do quão importante é ser — e ter — um líder com essa competência.

Basta recorrer à busca do Google para perceber que, ao buscar pelo termo, a ferramenta automaticamente completa sua digitação com “para professores”, “para profissionais da saúde”, “para líderes”. E é na tela de resultados que vem a confirmação: saltam aos montes os links com cursos presenciais e online voltados à formação de empresários e executivos.

Inteligência emocional é um termo utilizado, inicialmente, na psicologia para definir a capacidade de identificar e lidar com emoções e sentimentos – sejam os seus, sejam os do próximo. Ela integra um grupo maior, o das soft skills, que são as capacidades comportamentais interpessoais. Ou seja, a dura missão de lidar consigo mesmo e com os outros sem surtar e sem transformar o ambiente onde se convive em algo tóxico.

Mas não é de hoje que jogar videogame deixou de ser coisa de moleque desocupado e passou a ser um mercado que movimenta milhões. Por trás de smartphones, desktops e consoles há uma engrenagem gigantesca de pessoas, empregos e egos. O enredo do menino que vira jogador de futebol profissional e precisa lidar com um mundo novo de responsabilidades, pressões e dinheiro agora é contado pelos olhos dos meninos e meninas que sonham em alcançar a fama com um controle na mão – e milhões na conta bancária.

É neste contexto que o Senac – tradicional instituição de educação profissional – na sua vertente EAD criou um curso livre voltado a jogadores de League of Legends. A concepção do curso e preparação dos materiais ficou a cargo dos especialistas da LiveArena, empresa que presta consultoria em esportes eletrônicos – os esports. O público alvo não são apenas os pro players – como são chamados os jogadores profissionais – mas todos que querem se aventurar no game ou melhorar a sua performance dentro do jogo.

Rodrigo Rivellino, CEO da LiveArena, explica que o League of Legends é um jogo que requer muito pensamento estratégico, foco e algumas tomadas de decisão rápidas, que podem desestabilizar o jogador, e que para ser um bom competidor é crucial saber lidar com as frustrações que o game pode causar. Esse é um dos objetivos do curso. “O curso fala da importância de ter o cuidado com questões que costumam ser negligenciadas, como a pressão que você tem no jogo e fora dele“, diz Rodrigo.

Segundo ele, o tema partiu de uma percepção de mercado da LiveArena de que apesar da fama e procura pelo jogo, ainda não existiam cursos voltados para jogadores de LOL. As primeiras turmas aconteceram presencialmente em 2018 e contaram com mais de 100 participantes ao todo.

Um dos detalhes do curso é o conteúdo de psicologia. Nas turmas presenciais, a abordagem foi feita pela psicóloga Alessandra Dutra, que além de trabalhar com grandes clubes e atletas brasileiros, também treina times de esports. Como nos contou Lara Nascimento, coordenadora de projetos game da LiveArena, essa aula teve um feedback incrivelmente positivo e surpreendente dos alunos e foi mantida na grade do curso EAD oferecido pelo Senac.

Além da inteligência emocional, alguns princípios básicos do jogo são apresentados na grade do curso, junto com aulas para o participante entender o jogo, as estratégias necessárias para passar por cada etapa, o nível de dificuldade dos mapas. O curso pode ser encontrado na plataforma de ensino do Senac, tem 20 horas de duração e a idade mínima para participar é 12 anos.

O post Inteligência emocional, para que te quero? apareceu primeiro em Fast Company Brasil | O Futuro dos Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos