Mercado abrirá em 1 h 52 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,43
    +3,28 (+4,81%)
     
  • OURO

    1.801,30
    +13,20 (+0,74%)
     
  • BTC-USD

    56.943,76
    +2.632,25 (+4,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.423,09
    -32,32 (-2,22%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.099,16
    +55,13 (+0,78%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.174,50
    +123,50 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2887
    -0,0598 (-0,94%)
     

Inteligência artificial vai permitir que você prove roupas sem sair de casa

·3 min de leitura

Pesquisadores da TCS Research, na Índia, desenvolveram uma nova técnica de aprendizado profundo capaz de prever como as roupas de adaptam aos corpos de pessoas diferentes. O sistema funciona como uma espécie de “provador” virtual, permitindo que o usuário veja se a peça de vestuário lhe cai bem.

Esse dispositivo que usa inteligência artificial (IA) para vestir virtualmente uma versão digital de um ser humano pode ser utilizado, por exemplo, em compras online mais precisas, jogos com avatares personalizados ou na geração de conteúdo digital em plataformas 3D de interação social.

“As compras online de roupas permitem que os consumidores adquiram uma ampla gama de produtos sem ir até lojas físicas. No entanto, elas não permitem que os compradores experimentem as roupas fisicamente, o que resulta em uma alta taxa de troca devido a problemas no ajuste das roupas”, explica o professor de computação Brojeshwar Bhowmick, autor principal do estudo.

Outfit 3D

A nova ferramenta permite que as pessoas tenham uma ideia mais realista de como as roupas se encaixariam em seus corpos, utilizando uma variante digital de si mesmas. O potencial comprador consegue avaliar não só o caimento do item, como também as dobras e as rugas que aparecem conforme a posição ou os diferentes ângulos da peça.

Esquema de funcionamento do DeepDraper (Imagem: Reprodução/TCS Research)
Esquema de funcionamento do DeepDraper (Imagem: Reprodução/TCS Research)

O consumidor pode visualizar qualquer parte do vestuário em seu avatar 3D como se estivesse provando a peça de verdade. Isso dá ao cliente, a oportunidade de considerar fatores como ajuste e aparência de uma maneira muito mais próxima da realidade, com a vantagem de não ter que sair de casa.

“Trabalhos anteriores nesta área não levam em conta as medidas subjacentes do corpo humano, fazendo com que suas previsões visuais não sejam muito precisas quanto ao ajuste das peças. Além disso, o alto consumo de memória impede o seu uso em dispositivos com menos poder computacional”, acrescenta Bhowmick.

Caimento perfeito

O DeepDraper é um sistema que se baseia em uma imagem do cliente combinada com um guarda-roupa digital fornecido pelo vendedor. Esses dados de entrada são analisados para estimar a forma corporal e as medidas de cada pessoa. Uma rede neural prevê como vestimenta ficaria no corpo, aplicando-a em um avatar.

O sistema também consegue avaliar roupas de qualquer tamanho e corpos com características totalmente diferentes, aprimorando a experiência e a satisfação dos usuários na hora de comprar uma roupa em uma loja online. Outra vantagem é que a ferramenta pode ser usada em praticamente qualquer dispositivo.

“O DeepDraper é muito rápido e pode ser compatível com dispositivos de baixo custo, como telefones celulares ou tablets. Mais precisamente, ele é 23 vezes mais rápido e quase 10 vezes menor quanto ao consumo de memória em comparação com outras aplicações já existentes”, lembra Bhowmick.

A ideia é que as próximas versões do sistema permitam que os clientes se sintam mais à vontade e confiantes antes fazer uma compra em uma loja virtual, reduzindo os processos de troca ou reembolso, causados pela falta de precisão nas medidas ou pelas diferenças entre a roupa digital e a real.

“O próximo passo é usar o DeepDraper em roupas soltas e de várias camadas, como vestidos e camisetas com jaquetas. Atualmente, ele analisa a roupa em um corpo humano estático, mas planejamos animar a vestimenta para que ela se encaixe em pessoas em movimento”, encerra Brojeshwar Bhowmick.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos