Mercado fechado

Inteligência artificial já é usada em grandes festivais no Brasil

Colaborador externo

Por Leandro Eustáquio*

A inteligência artificial pode parecer algo de um futuro distante, que não está relacionado ao presente. Essa percepção está totalmente equivocada, o cérebro digital pode habitar uma série de tecnologias, até mesmo câmeras e celulares. Muitos smartphones já têm recursos de inteligência artificial, que auxiliam o usuário, por exemplo, na hora de capturar fotos. Essa tendência também já chegou à segurança pública e privada, com tecnologias de reconhecimento facial, contagem de pessoas, leitura de placas, detecção de violência e vandalismo, entre outras.

A AI (artificial inteligence, em inglês) já está sendo amplamente utilizada no Brasil para a melhoria da segurança. Um dos primeiros exemplos foi o projeto-piloto realizado durante o carnaval deste ano no bairro de Copacabana (RJ) onde 28 câmeras posicionadas em pontos estratégicos foram capazes de identificar pessoas. Com isso, foram efetuadas prisões de oito pessoas com mandados de prisão ou apreensão e foi possível recuperar três veículos roubados. Sistemas semelhantes também estão em funcionamento nas cidades de Campinas (interior de SP) e Salvador (Bahia).

Além da segurança pública, a utilização da AI possui inúmeras utilizações, como em grandes festivais de música e cultura. Um bom exemplo é a Oktoberfest Blumenau deste ano. Realizada até o fim do mês de outubro, a Oktoberfest é a maior festa alemã das Américas e está em sua 36ª edição. São mais de 150 câmeras da Intelbras embarcadas com inteligência artificial espalhadas por toda a Vila Germânica e arredores, incluindo as ruas e travessas próximas. O objetivo é proporcionar uma festa tranquila para toda a família, além de fornecer dados, como quantidade de pessoas em determinados dias ou locais, áreas com maior circulação do público, acesso de veículos, entre vários outros recursos.


Câmeras e outras soluções estão instaladas em locais estratégicos, como na entrada do evento e nos pavilhões, camarotes, perímetros, acessos, etc. Os produtos permitem identificar, por exemplo, quando uma pessoa específica entrou e saiu da festa, cor e tipo de roupa — o que pode ajudar a achar alguém que se perdeu — idade, gênero, entre outros fatores. Esses detalhes são importantes para um monitoramento eficaz.

Há também equipamentos que possuem o recurso "contagem de pessoas", que estão sendo utilizados nos camarotes, evitando assim a lotação desses espaços e a sua correta utilização. Essa tecnologia monitora também os acessos em determinados locais, verificando ou limitando a quantidade de visitantes diário, dado importante que auxilia a organização da Oktoberfest. Existem, ainda, câmeras que identificam quedas e atos de vandalismo, possibilitando uma ação rápida em caso de necessidade.

Um dos destaques é uma câmera speed dome. Com funções inteligentes, é utilizada com os sistemas de CFTV IP para um monitoramento seguro, estável e integrado. Com tecnologia de análise inteligente de vídeo, proporciona uma visão detalhada do ambiente e um monitoramento ainda mais preciso. Com ela, é possível aproximar a imagem em até 30 vezes, sem perda de qualidade. Isso facilita, por exemplo, a identificação de objetos, rostos ou outros detalhes, ou até de uma criança que se perdeu da família.

Câmera instalada no evento

Na praça de alimentação da Oktoberfest está instalada uma câmera com visão panorâmica de alta resolução. Ela substitui até oito câmeras, além de possuir microfone embutido e sensor infravermelho inteligente, que grava mesmo em áreas sem iluminação. A lente fisheye elimina os pontos cegos e permite focar nas áreas necessárias.

O sistema de monitoramento que utiliza IA tem se mostrado muito efetivo: no primeiro dia da festa, dois criminosos foram identificados pelas câmeras de reconhecimento facial, que deram o alerta para a Polícia Militar, que acompanha tudo pela sala de monitoramento. Os homens, que estavam sendo procurados por roubo e falta de pagamento de pensão alimentícia, foram presos logo após adentrarem a festa. Além disso, a organização do evento está utilizando as imagens coletadas pelos equipamentos para identificar foliões que brigaram durante o evento, proibindo assim sua entrada em outros dias de festa, e para solucionar furtos, como o de celulares.

Pouco a pouco, em grandes eventos, as tecnologias vão transformando o setor de segurança e contribuindo para que ele transcenda sua função de proteger pessoas e bens e passe a colaborar com a economia, a agilidade de processos e para tornar os festivais cada vez mais inteligentes e seguros. Tenho certeza que a utilização da inteligência artificial é uma tendência que veio para ficar e não vai demorar que ela seja amplamente utilizada em grandes festivais de todo o país.

*Leandro é Supervisor de Captação de Imagens da Intelbras

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: