Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,02
    +0,14 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.869,00
    +3,10 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    40.629,52
    +1.498,35 (+3,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.013,77
    +44,93 (+4,64%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.114,00
    -10,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1434
    +0,0119 (+0,19%)
     

Inteligência artificial do Facebook aprende novo idioma sem transcrições

·2 minuto de leitura
Inteligência artificial do Facebook aprende novo idioma sem transcrições
Inteligência artificial do Facebook aprende novo idioma sem transcrições

A partir da inteligência artificial, é possível realizar o reconhecimento de voz com a tecnologia necessária para dar vida aos assistentes digitais em aparelhos eletrônicos como telefones e alto-falantes. Por mais avançado que pareça ser, o reconhecimento de fala ainda é um trabalho em andamento.

Focado em evoluir, o Facebook anunciou um avanço na maneira como treina o sistema de inteligência artificial para aprender novos idiomas. A empresa disse que desenvolveu um método de construção de ferramentas de reconhecimento de voz que não precisa de dados transcritos.

Segundo a rede social, o novo sistema pode inovar a tecnologia e libertar da dependência da entrada de texto para fala. Antes a tarefa era demorada e precisava de humanos ouvindo e transcrevendo horas de áudio, além de ser um processo monótono e repetitivo para cada idioma. Agora, com o sistema “não supervisionado” do Facebook, a inteligência artificial aprende a partir do áudio da fala e do texto não emparelhado para dar uma ideia melhor de como é a comunicação humana de fato.

O modelo de inteligência artificial do Facebook depende essencialmente de um ciclo de feedback entre uma rede adversária geradora composta por um “gerador” e um “discriminador”. Portanto, o primeiro dá representações de padrões de fala que parecem jargões completos até que sejam colocados na rede discriminadora correspondente, como se fosse um tradutor.

Leia também!

Depois, o Facebook insere texto adicional escrito por humanos para ajudar o gerador a perceber a diferença entre os resultados computadorizados e os do mundo real. Isso acontece até que a saída do gerador corresponda ao texto real.

Este método permitiu a criação de sistemas de reconhecimento de voz sem nenhum conjunto de dados anotados, sem precisar das transcrições humanas, como explicou o Facebook. Os testes mostraram que o sistema entregou 63% de erros a menos do que o próximo melhor método não supervisionado.

A empresa afirma que o avanço pode inaugurar sistemas de reconhecimento de voz para mais idiomas e dialetos em todo o mundo, ajudando a democratizar a tecnologia, junto com a inteligência artificial. A atualização é muito interesse para o Facebook pois mais de 76% dos 2,85 bilhões de usuários mensais estão localizados fora da América do Norte e da Europa. afinal, a tradução automática é importante para conectar bilhões de pessoas por meio de seu idioma preferido.

Fonte: Engadget

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!