Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.379,55
    +2.250,87 (+4,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Intel Core i9 12900K é até 36% mais potente em novo modo de consumo máximo

·4 min de leitura

Após inúmeros vazamentos, a Intel oficializou em 27 de outubro a 12ª geração de processadores Alder Lake, munida de design híbrido. Os novos chips marcaram uma mudança importante na arquitetura da gigante, que agora mescla núcleos de alto desempenho com núcleos de baixo consumo, prometendo entregar melhorias substanciais de desempenho.

A empresa aproveitou as mudanças e modificou uma série de outras configurações, incluindo o Thermal Design Power (TDP), antiga métrica popular de dissipação de calor que permitia aos usuários ter uma noção do consumo e do calor gerado pelo chip. A ideia é tornar mais simples a interpretação desses dados, importantes para a compra de sistemas de resfriamento e fontes adequadas.

Agora, a linha Alder Lake utiliza duas novas métricas: o Processor Base Power (PBP), que assume o posto do TDP indicando o consumo médio dos componentes em cargas de trabalho prolongadas, e o Maximum Turbo Power (MTP), o pico de consumo que as CPUs podem atingir em momentos mais estressantes. No uso cotidiano, haverá uma variação entre esses valores.

Um ponto interessante é que os consumidores e as fabricantes de desktops pré-montados terão a liberdade de igualar o MTP e o PBP, de modo a permitir que processador se mantenha no MTP o tempo inteiro. Oficialmente, ainda não se sabe o quanto isso afetará o desempenho, considerando que os reviews só irão ao ar com o lançamento da família, mas o renomado leaker @9550Pro publicou um pequeno teaser das capacidades da mudança.

Modo MTP de 241 W entrega até 36% mais desempenho ao i9 12900K

No Twitter, o leaker republicou gráficos postados pelo usuário @WolStame — que atua como gerente de produtos da divisão de desktops gamer da Lenovo na China — no fórum chinês Zhihu. A imagem já foi removida, possivelmente por ter sido postada antes do momento certo, e compara as diferenças do modo padrão, utilizando o PBP para cargas de trabalho prolongado, para o modo que iguala o consumo base e o MTP.

Os ganhos são massivos, especialmente nos modelos mais potentes: o Core i9 12900K, em especial, consegue atingir pontuação 36% maior no teste multi-core do Cinebench R20 com MTP de 241 W, marcando 10.180 pontos, contra apenas 7.492 no modo padrão. Nessas condições, utilizando apenas o perfil base, a solução seria mais próxima do Ryzen 9 5900X, em vez do 5950X, mas ainda apresentaria ganhos de 21% sobre o Core i9 11900K.

Os novos Processor Base Power (PBP) e Maximum Turbo Power (MTP) substituem o TDP, com possibilidade de serem igualados para máxima performance em processamento prolongado (Imagem: Intel)
Os novos Processor Base Power (PBP) e Maximum Turbo Power (MTP) substituem o TDP, com possibilidade de serem igualados para máxima performance em processamento prolongado (Imagem: Intel)

A situação é menos grave com o Core i7 12700K — mantendo o MTP de 190 W, a solução marca 8.677 pontos em multi-core, 30% mais desempenho que os 6.689 pontos entregues pelo PBP de 125 W. Mesmo com a enorme diferença, o chip segue com boa vantagem de 16% sobre o Ryzen 7 5800X, e entrega evolução de 17% em comparação ao Core i7 11700K.

A solução menos afetada pelo uso prolongado do MTP é o Core i5 12600K. O MTP de 150 W oferece ganhos de apenas 10% sobre o PBP de 125 W, marcando 6.551 pontos no consumo máximo, e 5.953 pontos no modo padrão. Dessa maneira, o componente segue com a liderança de 30% sobre o rival Ryzen 5 5600X e de 38% sobre o antecessor Core i5 11600K, até mesmo superandoo o Ryzen 7 5800X em cerca de 5%.

Diante dos dados, é possível que o Core i5 seja, novamente, o melhor custo-benefício da Intel. Ainda assim, o recomendado é aguardar pelos reviews, mais abrangentes, para sabermos o que de fato a família Alder Lake entrega, e se vale ou não a pena adquiri-los.

Família Alder Lake chega ao mercado nesta quinta (4)

A 12ª geração de processadores Intel Alder Lake chega oficialmente ao mercado nesta quinta-feira (4), inicialmente em seis modelos: o entusiasta Core i9 12900K, o topo de linha Core i7 12700K e o intermediário Core i5 12600K, além de suas variantes KF, sem GPU integrada. As soluções já estão em pré-venda, inclusive no Brasil, com preços que variam entre R$ 2.499 e R$ 4.999.

A 12ª geração de processadores Intel Alder Lake quer popularizar o conceito de arquitetura híbrida nos desktops (Imagem: Intel)
A 12ª geração de processadores Intel Alder Lake quer popularizar o conceito de arquitetura híbrida nos desktops (Imagem: Intel)

Combinando P-Cores de alto desempenho com E-Cores de baixo consumo, a família promete entregar um salto substancial de desempenho sobre a 11ª geração, com ganhos de 19% em média, ao mesmo tempo em que oferecerão tecnologias inéditas, como suporte a memórias DDR5 e barramento PCI-E 5.0. Vale destacar que os reviews também irão ao ar nesta quinta-feira (4).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos