Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,42
    +0,65 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.865,30
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    29.609,99
    +391,31 (+1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    660,07
    +4,24 (+0,65%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.484,35
    -29,09 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.748,14
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    11.835,25
    +64,25 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1686
    -0,0036 (-0,07%)
     

Intel construirá fábrica de chips de mais R$ 100 bilhões nos EUA

·2 min de leitura

Nesta sexta-feira (21), a Intel Corporation anunciou um investimento de US$ 20 bilhões – cerca de R$ 109 bilhões na conversão atual – para a construção de duas fábricas de processadores em Ohio, nos EUA. A ação visa reduzir a dependência da empresa por componentes fabricados em outros países.

A princípio, a Intel usará as novas instalações para produzir os próprios processadores. Além de expandir a produção nas instalações nos EUA, rumores apontam que a companhia também pretende fabricar os chips da linha Apple Silicon para a Apple.

Em comunicado, a companhia cita que esse é o primeiro passo para a construção de um “mega-complexo” formado por oito fábricas de semicondutores. Ao todo, o projeto pode custar US$ 100 bilhões (aproximadamente R$ 547 bilhões).

Arte mostra como será o complexo de fábricas da Intel em Licking County, em Ohio (Imagem: Divulgação/Intel Corporation)
Arte mostra como será o complexo de fábricas da Intel em Licking County, em Ohio (Imagem: Divulgação/Intel Corporation)

Solução para um futuro próximo

Após seguir as recomendações do governo americano para não investir na fabricação de chips na China, a Intel concentra os planos de expansão nos EUA e na Europa. Enquanto busca uma solução para a escassez mundial de semicondutores, a empresa também aquece a concorrência com as rivais globais.

“Essas fábricas criarão um novo epicentro para a fabricação de chips nos EUA, que reforçará a ligação doméstica entre os laboratórios de desenvolvimento e as fábricas da Intel”, disse Pat Gelsinger, CEO da Intel.

Assim como outras empresas, a Intel luta para aumentar a produção e diminuir a falta de componentes. Bem como, a big tech americana também tenta se libertar da dependência da fabricante de chips taiwanesa TSMC.

Entretanto, as novas fábricas em Ohio não devem aliviar a atual crise de semicondutores. Segundo o comunicado, a construção das duas instalações deve começar apenas no final de 2022 e a produção em massa de chips só deve acontecer a partir 2025.

Governo dos EUA também deseja que as empresas fabriquem os processadores no próprio país (Imagem: Divulgação/Intel)
Governo dos EUA também deseja que as empresas fabriquem os processadores no próprio país (Imagem: Divulgação/Intel)

Ajuda do governo americano

Os Estados Unidos também trabalham em um plano para ajudar a reforçar o fornecimento de semicondutores no país. Em especial, o governo americano quer que as empresas evitem a dependência excessiva de componentes fabricados em outros países.

Representantes da Casa Branca estão cientes que a pandemia de Covid-19 expôs a fragilidade da cadeia de suprimentos global de chips. Com isso, existe um esforço para reconstruir o sistema de fornecimento de componentes dentro do próprio país.

Para isso, a administração do presidente Joe Biden espera que o Congresso aprove U$ 52 bilhões para incentivar a fabricação de processadores nos EUA. Embora tenha sido aprovado pelo Senado em junho de 2021, o projeto ainda não foi votado pela Câmara dos Representantes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos