Mercado fechará em 4 h 9 min
  • BOVESPA

    122.213,62
    +332,80 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.293,86
    +74,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,14
    +0,77 (+1,18%)
     
  • OURO

    1.865,50
    +27,40 (+1,49%)
     
  • BTC-USD

    43.362,70
    -4.628,45 (-9,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.197,42
    -0,49 (-0,04%)
     
  • S&P500

    4.150,13
    -23,72 (-0,57%)
     
  • DOW JONES

    34.206,03
    -176,10 (-0,51%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.245,50
    -141,50 (-1,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3885
    -0,0155 (-0,24%)
     

Intel busca US$10 bi em subsídios para construir fábrica de chips na Europa

Douglas Busvine
·2 minuto de leitura

Por Douglas Busvine

BRUXELAS/BERLIN (Reuters) - A Intel quer 8 bilhões de euros em subsídios públicos para a construção de uma fábrica de semicondutores na Europa, disse o presidente-executivo da companhia nesta sexta-feira, enquanto a região busca reduzir dependência de importações.

A proposta marca a primeira vez que Pat Gelsinger divulga publicamente quanto de auxílio estatal a Intel quer receber, já que a companhia busca uma iniciativa multibilionária para enfrentar os rivais asiáticos na fabricação por encomenda de chips.

"O que estamos pedindo aos governos dos Estados Unidos e da Europa é tornar competitivo para nós produzir aqui em comparação com a Ásia", disse Gelsinger em entrevista ao Politico Europe.

Um porta-voz da Intel confirmou que a entrevista ocorreu nesta sexta-feira em Bruxelas, onde Gelsinger se encontrou com o comissário europeu Thierry Breton para conversas sobre estratégias de semicondutores.

Gelsinger, em sua primeira ida à Europa desde que assumiu o comando da Intel, anunciou uma nova estratégia no mês passado que envolve investimento de 20 bilhões de dólares na produção de chips nos Estados Unidos.

Além disso, o executivo está prospectando uma localização para uma fábrica na Europa que, segundo ele, apoiaria a meta de Breton de dobrar a participação da região na produção global de chips, para 20%, na próxima década.

Breton conversou mais cedo nesta sexta-feira com a taiuanesa TSMC, maior fabricante de chips do mundo, à frente de Samsung e Intel. Em tweets separados, Breton descreveu seu encontro com Gelsinger como uma "discussão profunda", enquanto a videochamada com Maria Marced, presidente da TSMC Europa, foi uma "boa troca".

"Para atender à demanda atual e futura da indústria de semicondutores, a Europa aumentará drasticamente a capacidade de produção - tanto por conta própria quanto por meio de parcerias selecionadas para garantir a segurança do fornecimento", disse Breton.

Fontes diplomáticas e da indústria dizem que das "Três Grandes" fabricantes de chips, a Intel é a única até agora a expressar interesse concreto no objetivo de Breton de produzir chips mais avançados na Europa.