Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.563,09
    -173,33 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Intel Arc A750 promete desempenho até 17% superior à Nvidia RTX 3060

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Em um tour de divulgação por canais especializados, a Intel divulgou os primeiros dados de performance de suas duas placas de vídeo mais poderosas para desktop — a intermediária Arc A750 e a topo de linha Arc A770. Ainda sem preços específicos ou mesmo um prazo para estrear globalmente, as novidades trazem promessas consideráveis frente a concorrentes como a RTX 3060 da Nvidia, enquanto enfrentam grandes desafios em relação ao software e otimizações.

Intel Arc A750 promete superar RTX 3060 em até 17%

Em passagem pelo canal GamersNexus, os responsáveis pelo marketing técnico da linha Intel Arc, Ryan Shrout e Tom Petersen, discutiram o desempenho do modelo de entrada Arc A380 — cuja performance não foi bem recebida por normalmente se posicionar abaixo da polêmica Radeon RX 6400 — além de revelar mais detalhes da microarquitetura Xe-HPG "Alchemist".

Segundo testes da Intel, a Arc A750 é até 17% mais potente que a Nvidia GeForce RTX 3060 em títulos selecionados (Imagem: Divulgação/Intel)
Segundo testes da Intel, a Arc A750 é até 17% mais potente que a Nvidia GeForce RTX 3060 em títulos selecionados (Imagem: Divulgação/Intel)

Aproveitando a oportunidade, os executivos divulgaram as primeiras informações sobre a Arc A750, placa intermediária da família pertencente à série Arc 7 (equivalente à série Core i7 em CPUs). Ao que se sabe, a solução é equipada com o chip mais avançado ACM-G10, trazendo 24 Xe-Cores, compostos por 384 Vector Engines para um total de 3.072 núcleos. A GPU conta ainda com 12 GB de VRAM GDDR6, rodando a 16 Gbps, e consumo referência de 225 W.

O modelo foi comparado pela Intel a uma Nvidia GeForce RTX 3060, sua suposta rival direta, em uma bancada de testes com as mesmas configurações, com exceção da GPU. Baseada em uma placa-mãe ASUS ROG Maximus Z690 Hero, a máquina era equipada com CPU Intel Core i9 12900K, 32 GB de RAM DDR5-4800 em dual-channel, SSD NVMe Corsair MP600 Pro XT de 4 TB, Windows 11 Pro e os drivers mais recentes durante o período.

Segundo os dados coletados pela empresa, nos jogos testados em Quad HD com preset High, a Arc A750 seria até 17% mais poderosa que a concorrente da Nvidia. Dito isso, apenas 5 títulos foram demonstrados: F1 2021 (17% de vantagem), Cyberpunk 2077 (15%), Control (14%), Borderlands 3 (13%) e Fortnite (6%). Como é costume nesses casos, os títulos teriam sido cuidadosamente selecionados para demonstrar os pontos fortes da GPU.

Arc A770 teve primeiros detalhes revelados

A estratégia de seleção de títulos é reforçada pela visita dos executivos a outro canal, Linus Tech Tips, em que Shrout e Petersen exibiram pela primeira vez em funcionamento a Arc A770, topo de linha da primeira geração de GPUs da companhia. O modelo traz o mesmo chip ACM-G10 visto na A750, mas 100% habilitado, contando dessa maneira com 32 Xe-Cores e 512 Vector Engines, para um total de 4.096 núcleos.

O componente é acompanhado ainda de 16 GB de VRAM GDDR6, rodando a 16 Gbps, e possui consumo de referência estabelecido em 225 W — é importante destacar que o valor é apenas uma base e pode ser superior em uso, especialmente durante overclocking, característica também apresentada durante a demonstração.

A Arc A770 é a GPU mais poderosa da primeira geração da família, trazendo 32 Xe-Cores e 16 GB de VRAM GDDR6 (Imagem: Linus Tech Tips/YouTube)
A Arc A770 é a GPU mais poderosa da primeira geração da família, trazendo 32 Xe-Cores e 16 GB de VRAM GDDR6 (Imagem: Linus Tech Tips/YouTube)

Os mesmos cinco títulos utilizados como exemplo para a Arc A750 foram testados na A770, com destaque para dois deles: Cyberpunk 2077, em que a solução entregou média próxima aos 60 FPS em Quad HD no preset High, e F1 2021, cujas médias atingiram os 180 FPS com a maioria das configurações no High em Quad HD.

Ryan Shrout e Tom Petersen trouxeram então detalhes sobre a razão de vermos números mistos de performance nos testes já publicados, esclarecendo as dificuldades que a Intel está enfrentando. Entrando em um mercado já estabelecido pelo duopólio de AMD e Nvidia, e de olho no futuro, a gigante de Santa Clara concentrou os esforços nas APIs gráficas mais recentes, incluindo DirectX 12 e Vulkan.

Isso significa que títulos mais antigos, baseados em DirectX 9 ou mesmo na ainda recente DirectX 11, não estão propriamente otimizados para as placas Arc. Para que essa questão seja resolvida, a Intel precisa trabalhar arduamente para implementar essas otimizações, especialmente se considerarmos que muitos desses títulos já não recebem suporte.

Intel Arc A770 rodando Shadow of the Tomb Raider em DirectX 11 (à esq.) e DirectX 12 (à dir.) — preparada para APIs mais novas, a linha Arc sofre drasticamente em games com APIs antigas (Imagem: Linus Tech Tips/YouTube)
Intel Arc A770 rodando Shadow of the Tomb Raider em DirectX 11 (à esq.) e DirectX 12 (à dir.) — preparada para APIs mais novas, a linha Arc sofre drasticamente em games com APIs antigas (Imagem: Linus Tech Tips/YouTube)

A situação é agravada pelo fato de que uma parcela significativa dos títulos mais jogados atualmente são baseados nas APIs mais antigas. O impacto dessa decisão foi demonstrado por Linus em um breve teste de Shadow of the Tomb Raider, que possui suporte a DX11 e DX12: com a tecnologia mais recente, a A770 entrega média de 80 FPS, enquanto o game executado em DX11 atinge apenas 40 FPS, uma perda extrema de 50% de desempenho.

Diante desse cenário, o time azul estabeleceu três categorias de jogos: os de Tier 1, devidamente otimizados e executados em DX12, como os cinco títulos destacados pela marca nas demonstrações; os de Tier 2, ainda não otimizados, mas que conseguem ser bem executados pelas GPUs Arc; e os de Tier 3, baseados em APIs antigas, que requerem otimização e apresentam problemas de performance.

Para balancear a situação, a Intel promete praticar preços agressivos, superando AMD e Nvidia ao oferecer "o melhor custo-benefício". Ainda assim, há múltiplos indicativos de que o software é um dos principais obstáculos da empresa — mesmo ganhando mais performance ao sofrer overclocking, a A770 não apresentava corretamente os dados de desempenho, até eventualmente sofrer um crash.

Segundo os executivos, melhorias de software e otimização para jogos antigos são o foco da gigante, com prioridade para os títulos mais jogados da Steam. Sem uma data fixa, a família Intel Arc para desktops está prevista para estrear globalmente durante o verão norte-americano, vigente a partir de dezembro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos