Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,89
    -0,31 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.822,90
    +8,90 (+0,49%)
     
  • BTC-USD

    30.048,24
    -954,50 (-3,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,04
    +424,36 (+174,87%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.236,75
    -146,00 (-1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2805
    +0,0214 (+0,41%)
     

Intel alerta que crise dos chips pode durar até 2024

Intel anunciou uma série de grandes investimentos para diversificar geograficamente a fabricação de chips
Intel anunciou uma série de grandes investimentos para diversificar geograficamente a fabricação de chips
  • Pandemia gerou uma crise de demanda dos semicondutores;

  • Intel e Volkswagen avaliam que situação ainda deve durar mais;

  • Necessidade de mais semicondutores vem crescendo com a digitalização do mundo.

Depois do pior período da pandemia, estimava-se que a indústria dos semicondutores começasse a voltar aos trilhos com melhorias nos últimos meses de 2022 e início de 2023. No entanto, as expectativas de uma das maiores empresas do setor não é das melhores: segundo o CEO da Intel, Pat Gelsinger, a falta de chips deve se arrastar até 2024.

Gelsinger diz que apesar da indústria pretender acelerar a fabricação de semicondutores, a crise de agora pode afetar as próprias máquinas e ferramentas de produção. Em entrevista à CNBS, ele disse ainda que a empresa estimava anteriormente que a crise durasse até 2023, mas os desafios encontrados pelas fábricas para acelerar a produção vão prolongar a escassez dos componentes.

O CEO fez essas declarações um dia depois que a fabricante de chips da Califórnia ofereceu uma previsão fiscal para o segundo trimestre menor do que os investidores esperavam. Apesar disso, seus ganhos e receitas fiscais do primeiro trimestre superaram as expectativas dos analistas. As ações da Intel caíram mais de 6% na última semana.

Desde que Gelsinger assumiu o cargo de CEO em fevereiro de 2021, a Intel anunciou uma série de grandes investimentos para diversificar geograficamente a fabricação de chips. A empresa está gastando muito para construir fábricas de semicondutores nos EUA e na Europa.

A montadora Volkswagen é outra empresa que também não espera que a escassez global de semicondutores termine neste ano. “Deve ficar mais fácil fazer previsões confiáveis ​​em 2023, quando mais capacidade de produção de semicondutores entrar em operação”, disse Murat Aksel, chefe de compras do conselho da Volkswagen.

Entenda a crise

A necessidade de mais semicondutores vem crescendo há anos, à medida que o mundo se torna mais digital e os chips de processamento entram em tudo, desde smartphones a máquinas de lavar, passando também por automóveis.

As empresas de todo o mundo foram atingidas por uma escassez de semicondutores causada por interrupções na cadeia de suprimentos durante a Covid-19, bem como pela crescente demanda de semicondutores em empresas de eletrônicos de consumo.

A escassez teve consequências econômicas significativas e contribuiu para que a economia dos EUA experimentasse sua inflação mais alta desde o início dos anos 80.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos