Mercado abrirá em 4 h 17 min

Insumos para CoronaVac devem chegar dia 3 de fevereiro, prevê Butantan

João Conrado Kneipp
·2 minuto de leitura
Brazilian soldiers load CoronaVac vaccines into a military plane at the Air Base of Sao Paulo in Guarulhos, Sao Paulo, Brazil, for their distribution across the country, on January 18, 2021, amid the novel coronavirus, COVID-19, pandemic. - The global Covid-19 vaccination drive gained pace Sunday as Brazil gave its first injections. Brazil's health regulator gave the green light for the Oxford-AstraZeneca vaccine and China's CoronaVac to be used as the Latin American giant suffers a devastating second wave of the coronavirus. (Photo by Miguel SCHINCARIOL / AFP) (Photo by MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
Os 5,4 mil litros de insumos para envase da CoronaVac no país vão permitir a produção de mais 8,6 milhões de doses. (Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP) (Photo by MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)

O Instituto do Butantan prevê para dia 3 de fevereiro a chegada dos 5.400 litros de insumos para a produção no Brasil da CoronaVac, vacina contra Covid-19 desenvolvida em parceria com o laboratório Sinovac Biotech.

A previsão foi anunciada pelo presidente do Butantan, Dimas Covas, em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira (26), realizada após reunião do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming.

A carga importada da China foi liberada na segunda-feira (26). No encontro, o embaixador chinês afirmou que os entraves até agora eram de “ordem técnica, e não política”. “As vacinas são para salvar a vida do povo e não um instrumento político”, destacou Wanming, na coletiva.

Leia também

Os 5,4 mil litros de insumos para envase da CoronaVac no país vão permitir a produção de mais 8,6 milhões de doses desse imunizante.

O país já conta com mais de 10 milhões de doses da CoronaVac autorizadas para uso emergencial pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), tanto importadas prontas da China quanto doses envasadas pelo Butantan.

Segundo Dimas Covas, ainda há outra carga de 5,6 mil litros para o envase de outras 8,6 milhões de doses que está em “processo adiantado de liberação”, perfazendo dessa forma insumos para 11 milhões de doses dessa vacina.

FÁBRICA DO BUTANTAN DEVE INICIAR OPERAÇÕES SÓ EM 2022

A fábrica do Insituto Butantan para produção de doses 100% brasileiras da CoronaVac deverá ficar pronta e operando só no início de 2022. A estimativa de Doria é que a construção da planta acabe em setembro e, em outubro, comece a instalação dos equipamentos tecnológicos.

“A fábrica estará em operação e certificada pela Anvisa só no início do próximo ano”, estimou Covas, complementando a informação dada pelo governador.

Até agora, as vacinas produzidas e envasadas pelo Butantan dependem da importação de insumos da China. Com a fábrica, o Brasil torna-se “independente” para produzir os próprios insumos e envasar as doses em território nacional.