Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    34.961,11
    -214,50 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Insumos da CoronaVac devem chegar ao Butantan até o fim de maio

·1 minuto de leitura

Na semana passada, o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, revelou que os atrasos na chegada de insumo farmacêutico ativo (IFA) importado da China pode trazer impactos a partir de junho. No entanto, nesta segunda (17) o secretário executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, disse que o ingrediente pode chegar no Brasil ainda em maio.

“Existe a possibilidade de remessa do IFA do Butantan ainda no mês de maio – hoje a gente vai ter a confirmação. Há uma expectativa, uma sinalização para que isso chegue aqui por volta do dia 25, mas ainda pendente de confirmação por parte da China”, declarou o secretário, em audiência pública.

O secretário também colocou em jogo o IFA para a produção de cerca de 12 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford, pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz): na audiência, declarou que a remessa chegará ao Brasil nos dias 22 e 29 de maio.

(Imagem: Torstensimon/Pixabay)
(Imagem: Torstensimon/Pixabay)

De acordo com Cruz, o governo brasileiro almeja antecipar a entrega de vacinas já contratadas no mercado internacional para o primeiro semestre. O país tem acordos para a compra de mais de 600 milhões de doses com diversas farmacêuticas, segundo o secretário.

Além disso, Cruz afirmou, durante essa audiência, que o Brasil já manifestou interesse em adquirir vacinas contra COVID-19 de laboratórios que possam ofertar imunizante para o primeiro semestre. “Temos conversado também com países que estão em processo de imunização mais avançado para saber se eles têm interesse em fazer uma troca. Minha entrega que estava prevista para o último trimestre iria para você, e a sua que estava prevista para este mês viria para o Brasil”, acrescentou o secretário.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: