Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,77
    -0,58 (-0,95%)
     
  • OURO

    1.796,00
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    53.333,51
    -2.319,57 (-4,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.231,34
    -31,62 (-2,50%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.649,62
    +27,70 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.039,83
    +531,28 (+1,86%)
     
  • NASDAQ

    13.894,00
    -25,25 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7071
    +0,0051 (+0,08%)
     

Instituto Reuters vê redações brasileiras chefiadas só por brancos

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo divulgou novo relatório sobre a diversidade racial em cinco grandes mercados, com atenção para o retrocesso brasileiro em relação ao estudo divulgado em 2020. "No Brasil, na Alemanha e no Reino Unido, nenhum dos veículos na amostra tem editor não branco", destaca a entidade, ligada à Universidade Oxford. O relatório se limita aos três países, mais Estados Unidos e África do Sul, estes com resultados melhores --18% e 60%, respectivamente, de chefes de Redação não brancos. Mas acrescenta que "em todos os países cobertos, mesmo na África do Sul, o percentual de não brancos na população é muito maior". O Instituto Reuters avalia o quadro em 20 veículos de cada país. No Brasil, havia um único diretor de Redação/editor-chefe não branco no relatório anterior. Agora não há nenhum. No quadro geral dos cinco países, a participação de não brancos baixou de 18% para 15%. Para Meera Selva, que assina o relatório junto com outros dois pesquisadores, o estudo é importante porque os editores "definem o tom e atuam como modelos". O relatório se baseia na mais recente pesquisa do Instituto Reuters sobre jornalismo digital no mundo. Os veículos brasileiros incluem, entre outros, os jornais Folha e O Globo, os portais UOL e G1, as redes Globo e Record e os sites Brasil 247 e O Antagonista.