Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.348,43
    +330,14 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Instituto Ifo corta previsão de crescimento do PIB da Alemanha de 2021 para 4,2%

·1 minuto de leitura
Consumidores em Hanover, Alemanha

BERLIM (Reuters) - O instituto alemão Ifo projeta que a maior economia da Europa vai se recuperar com menos força do que o esperado no próximo ano, já que um lockdown mais rígido para conter a segunda onda de infecções por Covid-19 tem retido consumidores e empresas.

A chanceler Angela Merkel e outros líderes impuseram um lockdown a partir de 2 de novembro, sob o qual restaurantes e bares foram fechados, mas lojas e escolas continuaram abertas. A partir desta quarta-feira, medidas mais rígidas entraram em vigor para fechar a maioria das lojas, bem como salões de beleza e outros serviços.

O Ifo cortou nesta quarta-feira sua previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para o próximo ano de 5,1% para 4,2%. Para 2022, o Ifo elevou sua projeção de PIB de 1,7% para 2,5%.

"A recuperação está sendo adiada por causa dos bloqueios recentes aqui e em outros países", disse o economista-chefe do Ifo, Timo Wollmershaeuser. Assim, a produção de bens e serviços não alcançará o nível pré-crise até o final de 2021.

Como resultado das medidas de lockdown, o Ifo espera que a economia encolha no último trimestre deste ano. Para 2020 como um todo, o instituto prevê queda de 5,1%, sem ajustes para efeitos do calendário.

Essas previsões incluem medidas sob o lockdown imposto a partir de 2 de novembro, que o Ifo presume que permanecerá em vigor até o final de março, mas não o impacto de medidas mais rígidas em vigor deste dia 16 de dezembro até pelo menos 10 de janeiro.

(Por Michael Nienaber)