Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,65
    +0,60 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.784,10
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    50.747,62
    +285,61 (+0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.320,56
    +15,44 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.382,50
    +64,50 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2756
    -0,0641 (-1,01%)
     

Instituições do mercado financeiro assinam compromisso com a equidade racial

·3 min de leitura

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Instituições ligadas ao mercado financeiro firmaram um compromisso coletivo com o combate à desigualdade racial.

Na tarde desta terça (9), a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), a B3 (Bolsa de Valores do Brasil), a Febraban e a Fecomercio tornaram-se apoiadoras do Pacto de Promoção da Equidade Racial, iniciativa que busca estimular o mundo corporativo a adotar ações para enfrentar o problema.

A adesão ao Pacto ocorre no mês da Consciência Negra, e sinaliza que a questão racial precisa ser trazida para o centro do debate econômico brasileiro.

"No mês em que a sociedade nos convida a refletir sobre equidade racial, falar de avanços é importante, mas trabalhar para que eles não se esgotem é ainda mais significativo", disse Ana Buchaim, diretora executiva de Pessoas, Marketing, Comunicação e Sustentabilidade da B3.

Durante o evento de assinatura da adesão, Buchaim disse que um dos papéis da B3 enquanto infraestrutura do mercado de capitais é incentivar boas práticas ESG (ambientais, sociais e de governança, na sigla em inglês).

"Queremos contribuir com a questão racial no debate econômico brasileiro e incentivar a adoção de boas práticas por parte das companhias listadas e do mercado financeiro como um todo", afirmou.

O Pacto de Promoção da Equidade Racial foi criado em julho de 2021 e envolve entidades da sociedade civil, representantes da comunidade negra, especialistas e investidores.

O objetivo da iniciativa é fornecer um roteiro às empresas sobre como avançar nas questões raciais, de modo que elas sejam não apenas antirracistas, mas protagonistas nessa causa.

Quem apoia o Pacto se compromete com um protocolo racial, que propõe que as organizações trabalhem o tema internamente -por meio de ações afirmativas, como cotas e processos seletivos exclusivos para negros-, e externamente, com investimentos em educação pública e na formação de profissionais.

"Resolver a desigualdade racial na nossa sociedade passa pelo investimento social privado em equidade, investimento em educação pública, formação técnica e em empreendedorismo negro. Esses quatro fatores formam um novo protocolo ESG racial", afirmou Gilberto Costa, diretor-executivo do Pacto.

Também participou do evento Helio Santos, presidente do conselho deliberativo do Pacto e cujo ativismo em prol dos direitos da população negra data dos anos 1970. Para ele, a desigualdade racial no mercado de trabalho tem desdobramentos relevantes para a economia.

"Quando os macroeconomistas calcularem o custo de oportunidade que o Brasil paga por desperdiçar talentos, nós teremos uma comoção, porque ninguém pode, impunemente, desperdiçar talentos", disse.

Contudo, Santos diz que o setor corporativo está, hoje, bem mais permeável à discussão sobre desigualdade racial do que há alguns anos. "Em 2005, 2010, 2015 nós tínhamos uma dificuldade maior para trabalhar no campo corporativo. Não adianta só o Estado [agir], o setor corporativo é fundamental, ele é decisivo", afirmou.

Marcelo Billi, superintendente de comunicação, educação e certificação da Anbima, disse que a importância do tema já é percebida no mercado. Segundo ele, uma pesquisa feita com os associados da instituição avaliou quais eram as principais demandas no mercado financeiro e de capitais.

"80% dos nossos associados, ou seja quase um consenso, nos disseram que a pauta de equidade racial é uma prioridade no mercado hoje", disse.

Ao aderir à iniciativa, as instituições também poderão calcular o seu IEER (Índice ESG de Equidade Racial) para ver o quão equilibrada racialmente estão. O índice foi criado pelo Pacto e funciona como um rating (classificação), medido a partir da quantidade de pessoas negras em cada cargo e da massa salarial que elas representam.

A nota pode ser melhorada com a adoção de ações afirmativas e o compromisso de realizar investimentos em equidade racial.

"Quando a gente consegue avaliar em que estado estamos, a gente ganha uma sobriedade e condição de agir em direção à equidade racial", disse Buchaim.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos