Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,01
    +0,30 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.637,10
    +3,70 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    19.751,98
    +832,34 (+4,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    453,02
    +19,92 (+4,60%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.821,34
    -33,80 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    26.627,94
    +196,39 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    11.395,25
    +79,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1899
    +0,0105 (+0,20%)
     

Instagram remove conta do Pornhub de sua plataforma

Instagram excluiu a conta do site pornô Pornhub de sua plataforma de mídia social (Yuttachai Kongprasert/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
Instagram excluiu a conta do site pornô Pornhub de sua plataforma de mídia social (Yuttachai Kongprasert/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
  • Meta e Instagram não se pronunciaram sobre a exclusão;

  • Site pornô tem atraído críticas por conteúdo ilegal publicado em sua plataforma;

  • VISA e Mastecard pararam de processar pagamentos no site em 2020.

O Instagram removeu a conta do Pornhub de sua plataforma em meio às crescentes pressões dos ativistas contra o site. A notícia foi dada pela primeira vez pela revista Variety.

De acordo com o portal, no momento de remoção a conta do site pornográfico na rede social tinha cerca de 13,1 milhões de seguidores e 6,2 mil publicações. O Pornhub também ainda opera contas populares em outras mídias sociais, como o Twitter.

Tanto o Instagram quanto a Meta, empresa controladora da rede social, ainda não declararam o motivo da exclusão da conta do Pornhub, embora ao tentar visitar a página do site apareça uma mensagem dizendo que a conta foi removida por violar as diretrizes da comunidade.

O site pornográfico tem recebido cada vez mais críticas por parte de organizações da sociedade, devido a sua inação em combater a disseminação de vídeos que contenham estupro, abuso sexial, tráfico sexual e pedofilia.

Em um comunicado postado no Twitter, Laila Mickelwait disse que o Instagram e o Meta tomaram a “decisão certa ao cortar os laços com o Pornhub” e que era hora de outras grandes empresas de tecnologia como Google, Amazon e Microsoft “seguirem o exemplo”.

Mickelwait é fundadora da campanha “TraffickingHub”, que visa “encerrar o Pornhub e responsabilizar seus executivos por permitir, distribuir e lucrar com estupro, abuso infantil, tráfico sexual e abuso sexual baseado em imagem criminosa”.

Apesar de posicionar como um ativista contra o tráfico sexual, críticos à sua organização apontam que o grupo mantém conexões com grupos cristãos evangélicos, que defendem o fim de todo trabalho sexual.

De acordo com o próprio site de Mickelwait, ela trabalhou anteriormente no Exodus Cry, um grupo cristão “abolicionista” que quer “acabar com a indústria do sexo” e lista o “TraffickingHub” de Mickelwait na seção “nossas campanhas” de seu site.

As críticas ao PornHub por facilitar a distribuição de material de abuso infantil aumentaram nos últimos anos, envolvendo seus parceiros de negócios e levando à renúncia de seu CEO e COO.

Em 2020, Visa e Mastercard pararam de processar pagamentos no PornHub devido à presença de “conteúdo ilegal” no site, embora isso não tenha impedido processos judiciais contra as empresas. Em agosto, no entanto, um juiz da Califórnia permitiu que um processo contra a Visa continuasse, argumentando que a empresa “pretendia ajudar a MindGeek a monetizar pornografia infantil”.

Em resposta às críticas, o PornHub tomou medidas como remover todo o conteúdo de usuários não verificados e remover uma função de download que permite que qualquer usuário baixe qualquer vídeo.