Mercado abrirá em 5 h 52 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,87
    +1,61 (+2,43%)
     
  • OURO

    1.783,30
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    48.763,19
    -663,00 (-1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.252,75
    -189,01 (-13,11%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.480,83
    -285,86 (-1,20%)
     
  • NIKKEI

    27.974,20
    -55,37 (-0,20%)
     
  • NASDAQ

    15.764,00
    +46,25 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3783
    -0,0170 (-0,27%)
     

Instagram pode lançar serviço de assinaturas de conteúdo ao estilo Onlyfans

·3 min de leitura

Inspirado pelo sucesso da Twitch e do Onlyfans, o Instagram pode estar próximo de lançar um serviço de assinaturas para o seu aplicativo. A ideia seria ofertar aos criadores a possibilidade de desenvolverem conteúdos exclusivos somente para quem pagar pelo acesso, o que aproximaria ainda mais as celebridades dos seus seguidores.

A Sensor Tower encontrou uma listagem de supostos planos pagos para uso da rede social na loja virtual da Apple no iOS. Os valores foram listados como "compras no aplicativo" e identificados como "Assinaturas do Instagram", com valores que vão desde US$ 0,99 a US$ 4,99 — ainda não dá para saber quais seriam os preços ajustados ao mercado brasileiro.

Assinaturas do Instagram podem chegar em breve (Imagem: Reprodução/App Store)
Assinaturas do Instagram podem chegar em breve (Imagem: Reprodução/App Store)

O rumor surgiu após o engenheiro reverso Alessandro Paluzzi encontrar vestígios no código do app para iOS com supostos valores que poderiam ser comercializados na loja virtual. A ideia seria criar Fã Clubes para reunir admiradores e disponibilizar conteúdos exclusivos, de modo similar ao que ocorre nas comunidades do Facebook e do Twitter.

Com o passar do tempo e a execução de novos testes, o vazador de informações compartilhou várias novas capturas de tela que mostram como os desenvolvedores evoluíram o recurso para deixar tudo no patamar atual. Agora, entre os planos estaria a adição de um painel de controle de inscritos, com demonstração do valor arrecadado e a quantidade de fãs.

Na prática, isso geraria dois tipos de conteúdos no Instagram: um aberto e geral, outro fechado para pagantes. Em ambos os casos, a novidade parece afetar tanto o Feed quanto os Stories, os dois principais recursos da rede, embora nada impeça que também seja expandido para o Reels. Cada assinante teria um emblema exclusivo para mostrar seu apoio àquele perfil e poderia obter outras vantagens, a critério do criador.

Novas formas de monetizar

Essa adição não é exatamente uma novidade, pois o próprio chefão do Instagram, Adam Mosseri, já havia mencionado sua intenção de explorar as assinaturas como forma de "facilitar uma relação financeira entre fã e criador". O executivo sabe o quão mais proveitoso é para um usuário pagar por um conteúdo de quem ele admira do que clicar em uma propaganda sobre algo que provavelmente não comprará.

O que surpreende, de certo modo, são os custos variáveis das assinaturas, pois até então só haviam sido vazados o Instagram Badge, uma espécie de distintivo que conferia acesso a determinados recursos. Com esse novo modelo, o Instagram parece deixar um pouco de lado a proposta do Twitter Blue para adotar uma abordagem mais alinhada ao OnlyFans.

Vale lembrar que a rede já fez diversas adições voltadas para a geração de recursos financeiros diretamente na sua plataforma, como as lojas virtuais, posts em colaboração com outros perfis e o pagamento por visualizações no Reels.

Essa mudança poderia transformar o modelo de negócios de uma das maiores redes sociais do mundo para reduzir a dependência dos anúncios. Desde a mudança das políticas de privacidade da Apple, introduzidas no iOS 14.5 a partir do App Tracking Transparency (ATT), a maioria das redes sociais que dependem das propagandas tiveram um duro golpe nas receitas. O Facebook e o Instagram, ambos pertencentes à Meta e altamente vinculados ao mercado publicitário, teriam sido os mais afetados em termos de volume.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos