Mercado fechado

Instagram é acusado em novos processos de suicídio e automutilação infantil

Instagram é acusado em novos processo de suícidio e automutilação infantil (Foto: AP Photo/Damian Dovarganes, File)
Instagram é acusado em novos processo de suícidio e automutilação infantil (Foto: AP Photo/Damian Dovarganes, File)
  • Os processos culpam o Instagram por distúrbios alimentares, depressão e até suicídios entre crianças e adolescentes;

  • Representante legal nos processos afirma que o design do Instagram pode direcionar intencionalmente usuários vulneráveis ​​para esse conteúdo;

  • Uma adolecente de 14 anos cometeu suícidio após ser bombardeada por vídeos da plataforma

Meta está enfrentando uma nova onda de processos que culpam o Instagram por distúrbios alimentares, depressão e até suicídios entre crianças e adolescentes. O Representante legal em mais de meia dúzia das ações está usando um novo argumento que pode representar uma ameaça ao império de mídia social de Mark Zuckerberg.

Ano passado, o denunciante Frances Haugen expôs documentos internos do Meta mostrando que o Instagram cria problemas de imagem corporal e outros problemas de saúde mental para a saúde de muitos adolescentes. Essa nova rodada de processos está cheia de histórias perturbadoras de adolescentes sendo bombardeados por postagens no Instagram promovendo anorexia, automutilação e suicídio.

Os vazamentos provam que a Meta estava bem ciente de que seus produtos estavam prejudicando as crianças, mas optou por colocar o crescimento e os lucros acima da segurança, afirmam os processos.

“Em que universo uma empresa pode ter um produto que direciona esse tipo de sujeira vil, esse conteúdo perigoso para crianças – e se safar disso?” disse Matthew Bergman, fundador do Social Media Victims Law Center, que entrou com mais de meia dúzia de processos. “Esses produtos estão causando danos graves aos nossos filhos.”

A Meta e outras empresas de tecnologia combatem processos há anos usando a Seção 230, uma lei americana que protege amplamente as empresas de mídia social de litígios semelhantes, impedindo que plataformas da web fossem responsabilizadas legalmente por conteúdo postado por terceiros.

Mas Bergman argumenta que o problema com o Instagram não é apenas que terceiros postem conteúdo prejudicial no aplicativo – é que o design do Instagram pode direcionar intencionalmente usuários vulneráveis ​​para esse conteúdo, conforme detalhado pelos vazamentos de Haugen. Portanto, argumenta ele, a empresa não deveria ser protegida pela Seção 230.

“Acreditamos que quando você ataca a plataforma como um produto, isso é diferente da Seção 230”, disse Bergman. “230 tem sido uma barreira e é algo que levamos a sério e acreditamos que temos uma teoria jurídica viável para contornar isso.”

Adolescente comete suicídio após ser bombardeada por vídeos na plataforma

Uma das ações gira em torno de uma garota da Louisiana chamada Englyn Roberts, que cometeu suicídio em 2020 aos 14 anos.

De acordo com o processo aberto em julho no tribunal federal de São Francisco, os pais de Roberts não tinham ideia de até que ponto ela estava sendo “bombardeada pelo Instagram, Snapchat e TikTok com imagens e vídeos nocivos”. Ainda de acordo com o processo, o conteúdo das postagens era violento e perturbador podendo induizir pessoas a auto-mutilação e ao suicídio.

Quanto mais Roberts supostamente interagia com essas fotos e vídeos, mais os aplicativos recomendavam conteúdo semelhante que a mantinha presa em um ciclo vicioso. Roberts começou a trocar vídeos de automutilação com seus amigos, incluindo um vídeo perturbador em setembro de 2019 de uma mulher se enforcando com um fio de extensão em uma porta, de acordo com capturas de tela incluídas em documentos judiciais.

Em agosto de 2020, Roberts pareceu imitar o vídeo quando usou uma extensão para se enforcar na porta. Seus pais a encontraram horas depois e ela foi levada às pressas para o hospital. Ela foi colocada em suporte de vida e morreu dias depois.

“O que ficou claro em setembro de 2021 é que a morte de Englyn foi o resultado próximo de uma lesão psíquica causada por seu uso viciante do Instagram, Snapchat e TikTok”, diz o processo.