Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.126,33
    -282,18 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Instagram apresenta instabilidade quatro dias após ficar fora do ar

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2021 - Still de mão segurando um celular com o aplicativo Instagram aberto. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2021 - Still de mão segurando um celular com o aplicativo Instagram aberto. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Instagram, rede de compartilhamento de fotos do Facebook, apresenta instabilidade na tarde desta sexta-feira (8). Às 15h45, ele estava com um pico de mais de 1.500 reclamações no site de monitoramento Downdetector.

A queda ocorre quatro dias após o Facebook, assim como WhatsApp, Instagram e Messenger, ficarem fora do ar em diversas partes do mundo.

Procurado, o Facebook afirmou em que nota que está ciente de que "algumas pessoas e negócios estão tendo dificuldade para acessar nossos produtos". "Estamos trabalhando para que tudo volte ao normal o quanto antes e pedimos desculpas por qualquer inconveniente", completou a empresa.

O apagão de sete horas da última segunda (4) foi um dos maiores da história do serviço —houve outros em 2015 e 2019, por exemplo, quando usuários ficaram sem acesso a serviços por quase um dia todo, mas na época a big tech tinha menos de 2 bilhões de usuários. O site de monitoramento Downdetector afirmou que foi a maior falha do tipo já vista pela plataforma.

Os efeitos da falha no serviço foram sentidos pela empresa no mesmo dia, quando as ações do Facebook encerraram o dia com retração de 4,89%. A Nasdaq, que reúne empresas de tecnologia, fechou com queda de 2,14%.

Em nota no final do dia, a empresa se desculpou pela ausência dos serviços. "Para todos que foram afetados pela interrupção das nossas plataformas hoje: sentimos muito. Sabemos que bilhões de pessoas e negócios em todo o mundo dependem de nossos produtos e serviços para permanecer conectados. Agradecemos sua paciência à medida que voltamos a ficar online", afirmou a companhia.

A explicação oficial do Facebook para a queda de segunda, corroborada por vários especialistas em segurança, aponta para um problema no BGP (Border Gateway Protocol, protocolo de borda).

O BGP opera como o Waze, aplicativo de mapas do Google: um protocolo que comunica a melhor rota para chegar a endereços na internet, com base em um cálculo que reúne vários fatores, como tráfego e distância de cada estrada.

Durante uma rotina de manutenção, um comando determinou, sem intenção, que todo o sistema ficasse offline. A ferramenta programada para barrar esse comando errado falhou, e o Facebook perdeu qualquer conexão com o resto do mundo, como se a estrada de dados que levasse a ele tivesse sido removida.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos