Mercado fechará em 4 h 47 min
  • BOVESPA

    110.149,28
    -39,29 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.020,65
    +221,19 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,39
    +0,14 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.790,30
    +7,90 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    16.855,71
    -149,17 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,58
    -6,23 (-1,55%)
     
  • S&P500

    3.941,26
    -57,58 (-1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.596,34
    -350,76 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.519,69
    -1,70 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.508,75
    -57,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5025
    +0,0238 (+0,43%)
     

Instagram alcança 2 bilhões de usuários ativos, mas ainda é pouco para a Meta

A Meta revelou que o Instagram alcançou a incrível marca de 2 bilhões de usuários ativos mensais. Os dados mostram como a plataforma continua crescendo e já segue em busca de alcançar o Facebook, a maior rede social da empresa. A plataforma criada por Mark Zuckerberg tem cerca de 2,96 bilhões de usuários ativos.

A receita do terceiro trimestre de 2022 ficou em US$ 27,71 bilhões, números que não chegam a ser ruins, mas estão longe dos tempos áureos da companhia. Esses dados fizeram o preço das ações despencar em mais de 20%, fruto do temor quando à queda nas vendas de publicidade, aumento dos custos operacionais e dificuldades diversas.

Talvez o único ponto positivo na apresentação do balanço trimestral tenha sido o sucesso do Instagram. A companhia sofre com a concorrência do TikTok e luta para se reinventar, principalmente diante do público mais jovem que migrou em massa para os vídeos curtos. Em dezembro do ano passado, rumores já apontavam os 2 bilhões de usuários, mas a rede não chegou a admitir devido ao momento delicado de acusações de impactos nocivos nos jovens.

O WhatsApp se mantém como o produto mais popular da Meta, com 3,71 bilhões de usuários mensais no mundo inteiro — números levantados pela Bloomberg. Embora os índices do mensageiro sejam excelentes, a Meta lucra pouco com ele, já que não há um modelo de publicidade direta nem assinaturas.

Queda na arrecadação impulsionada pela Apple

A companhia segue refém dos efeitos da restritiva política de rastreamento de usuários implementada pela Apple. Desde a implantação da App Tracking Transparency (ATT), usuários precisam autorizar a coleta de dados em aplicativos de terceiros para fins de publicidade direcionada, algo que a maioria das pessoas nega. Em razão disso, a eficácia dos anúncios para usuários do iPhone caiu bastante e isso reduziu o investimento dos anunciantes.

Em uma alfinetada contra a Apple, o CEO da Meta Mark Zuckerberg disse no começo do mês que a empresa de Tim Cook “não é tão altruísta quanto diz ser”. "Tenho certeza de que eles acreditam que essas coisas são boas para os consumidores até certo ponto, mas não pode ser só coincidência”, declarou à época.

Após o anúncio de um trimestre ruim, Zuck prometeu mudanças significativas para tornar a empresa mais eficiente, reduzindo gastos desnecessários e apertando os cintos para voltar a crescer. A Meta segue persistindo com a ideia do metaverso no centro das atenções, tanto que revelou recentemente o óculos Meta Quest Pro.

Mesmo com o aumento na quantidade de usuários, o Instagram não anda tão bem das pernas assim. Além da queda na publicidade, a plataforma tem sido alvo de muitas críticas de criadores de conteúdo por priorizar vídeos curtos — copiando o rival TikTok —, pelos sucessivos testes com novos layouts e, principalmente, pela elevada quantidade de bugs, como o que fazia os stories pularem sozinhos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: