Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.317,64
    -164,93 (-0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Instagram é processado por supostos efeitos nocivos aos usuários

O Instagram vai enfrentar mais um processo nos Estados Unidos por supostas alegações de efeitos prejudiciais às pessoas. Duas famílias de Kentucky, nos Estados Unidos, entraram como uma ação contra a empresa por supostamente priorizar o engajamento do usuário em vez de cuidar da sua segurança, com a exposição a vícios, comparações sociais e produtos nocivos para a saúde.

A rede social da Meta é acusada pelo Social Media Victims Law Center, órgão representante das duas famílias na ação, de desencadear problemas como depressão, distúrbios alimentares e tentativas de suicídio. “Apesar do conhecimento das características perigosas e prejudiciais de seu produto, a Meta tomou e continua a tomar decisões de negócios baseadas no custo-benefício e está consistentemente priorizando seus lucros astronômicos sobre a vida humana”, dizem os processos, conforme apuração da agência de notícias Reuters.

O Instagram está sendo processado mais uma vez por supostamente não agir contra supostos efeitos nocivos da plataforma (Imagem: Andrea Piacquadio/Pexels)
O Instagram está sendo processado mais uma vez por supostamente não agir contra supostos efeitos nocivos da plataforma (Imagem: Andrea Piacquadio/Pexels)

Segundo a Reuters, a Meta enfrenta pelo menos nove outros processos que acusam a empresa de prejudicar a saúde mental de adolescentes nos Estados Unidos. Nenhum deles ainda teve desfecho, portanto não se sabe ao acerto o que esperar da justiça norte-americana.

A ação é mais um capítulo da saga enfrentada pela Meta no mundo, mas principalmente nos EUA, sobre as alegações de prejuízos à saúde mental das pessoas. Uma ex-funcionária chamada Frances Haugen, gerente de produto do Facebook, vazou documentos internos que mensuravam resultados de pesquisas — as ações fazem menção a esse conjunto de dados.

Meta já se defendeu antes

A empresa já se manifestou publicamente sobre as acusações por meio do vice-presidente e head de pesquisa do Facebook, Pratiti Raychoudhury. De acordo com Raychoudhury, o estudo revelou também os benefícios do uso do Instagram: "A pesquisa demonstrou que muitos adolescentes sentiram que usar o Instagram os ajudam quando estão lutando contra momentos difíceis e problemas que enfrentaram sempre".

O texto publicado na época negou supostas informações levantadas pelo Wall Street Journal e alegou que a companhia fala abertamente sobre os pontos negativos da mídia social de forma igual como trata os benefícios há mais de uma década. A ideia da avaliação interna seria um mapeamento para ajudar no trabalho de combater os pontos negativos e maximizar os positivos.

No ano passado, o chefe do Instagram, Adam Mosseri, foi ao Congresso dos Estados Unidos para falar sobre o assunto. Na ocasião, disse estar comprometido em manter os usuários seguros e a companhia lançou diversos produtos focados em adolescentes e responsáveis, como controles parentais mais rígidos.

Instagram na luta contra acusações

O Instagram tem um recurso para adultos também filtrarem conteúdos indesejados (Imagem: Reprodução/Instagram)
O Instagram tem um recurso para adultos também filtrarem conteúdos indesejados (Imagem: Reprodução/Instagram)

Outro exemplo recente é a obrigação de todos os membros declararem sua idade, bem como o bloqueio imediato dos menores de 13 anos. Quem tem menos de 18 anos tem recursos automaticamente ativados, como alertas para dar um tempo da plataforma, e a possibilidade de monitoramento do tempo de uso pelos pais.

O TikTok, rival direto do Insta, também já foi alvo de alegações semelhantes e está na mira de autoridades. Um grupo de procuradores-gerais dos Estados Unidos abriu uma investigação para descobrir supostos impactos negativos em crianças e se a rede social viola leis de proteção ao consumidor.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos