Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,19
    -0,08 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.854,70
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    32.808,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,34
    +59,34 (+9,73%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,02 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.750,80
    +302,95 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    28.711,95
    +80,50 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.447,25
    +85,75 (+0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6547
    +0,0027 (+0,04%)
     

Inspetores de grãos da Argentina ainda negociam com empresas; greve atinge 28 dias

·1 minuto de leitura

BUENOS AIRES (Reuters) - O Urgara, sindicato de inspetores de grãos da Argentina, disse nesta terça-feira que continua negociando com empresas agroexportadoras, em momento em que a greve da organização, que começou no mês passado e já dura 28 dias, dificulta as operações em alguns portos agrícolas do país.

A entidade deu início à greve em 9 de dezembro, junto a sindicatos de trabalhadores do setor de oleaginosas, por motivos salariais. Os empregados do segmento de oleaginosas chegaram a um acordo com as empresas no final do mês passado, mas o diálogo entre os inspetores de grãos e a Câmara de Portos Privados e Comerciais (CPPC) continua.

Os inspetores são trabalhadores técnicos que analisam as cargas de grãos nos portos do país, um dos maiores exportadores de alimentos do mundo. A paralisação afeta as operações de alguns terminais, embora sua presença no polo agroportuário de Rosario não seja tão forte.

"Seguimos com o protesto, hoje são 28 dias", disse à Reuters o subsecretário de imprensa do Urgara, Juan Carlos Peralta, que destacou que os membros do sindicato realizarão uma nova reunião com representantes da CPPC na noite desta terça-feira, em busca de uma resolução do conflito.

Segundo Peralta, a medida de força do Urgara afeta as operações do T6, um terminal de grãos operado em conjunto pela Bunge e pela argentina AGD no norte de Rosario, as atividades da Cargill e Louis Dreyfus na cidade de Bahía Blanca e a instalação da Cofco International em Lima.

A CPPC confirmou a informação fornecida pelo Urgara sobre a operação dos portos.

(Reportagem de Maximilian Heath)