Mercado fechado

Insatisfeito com seu carro? Confira uma lição para não cometer outro erro

SÃO PAULO - Não muito raramente, motoristas compram carros baseados em fatores estéticos e se arrependem depois - ao perceberem que fizeram um negócio ruim, ou que ele não atende as suas necessidades. Isso geralmente ocasiona em uma perda financeira e uma sensação de insatisfação, principalmente se outro carro é comprado para suprir os problemas do primeiro. 

Leandro Mattera, fundador da Consultoria Carro e Dinheiro e autor do livro "Como Escolher o Seu Carro Ideal", acredita que o ideal é começar a procura com uma pergunta básica "Afinal, qual é o carro ideal para comprar?" e tentar encontrar critérios que respondam a essa pergunta. Ele cita sua própria história, que lhe ensinou bastante a procurar o melhor carro possível - e que ele ensina através de seu livro, para que as pessoas . 

Como a esposa dele precisava fazer uma viagem diária de 80 quilômetros para ir ao trabalho todo o dia - algo comum na vida de muitos brasileiros -, em uma rodovia com apenas uma pista em cada direção e diversos caminhões. Ainda pior, essa estrada contava com 20 km de estrada de terra e uma topografia irregular - que não permitia que carros vindos em outra direção fossem vistos. 

Pensando nessas condições, ele decidiu optar por um carro com bom índice de segurança e alto - ao contrário de alguém que mora em uma cidade média ou grande, e pode optar por carros mais baixos. Ainda pensando em segurança, o ideal era selecionar veículos que tinham sido submetidos a testes de colisão e recebido ao menos 4 das 5 estrelas possíveis. Gostaria também que o carro contasse com airbag duplo e freios ABS. 

Pelo fato de que a esposa andaria nessa estrada de terra durante a noite, com a possibilidade de chuva, ele queria que o carro tivesse tração 4x4 e que tivesse sido desenvolvido para um país de primeiro mundo. Assim, decidiu que o carro que melhor atendia essas especificações era uma SUV compacta importada - mas ainda precisava encontrar o modelo correto. 

As vezes, um carro zero não é a melhor opção O problema de Mattera era sua condição financeira. Ele não podia comprar um carro que custasse muito mais que um carro popular - mas tinha tantas exigências quanto ao modelo que era impossível comprar um carro zero que fosse satisfatório quanto à isso. Teve que comprar um modelo usado - e, pior, um modelo que fosse econômico por conta dos 160 km que seriam percorridos todo dia. 

Ele entendia que o preço do seguro seria maior, por conta da idade, mas a queda do IPVA compensaria. Com essas informações, ele e a esposa decidiram que apenas um automóvel preenchia todos os requisitos. E mesmo assim, a procura não acabou: ele passou a ler tudo que podia a respeito do carro, da marca, em fóruns, blogs e revistas - tanto no Brasil quanto no exterior.

Gostou do que viu e resolveu que era melhor comprar esse mesmo modelo, mas não perto da sua cidade - ele optou por viajar para São Paulo para encontrar o seu carro, já que a maioria dos SUVs por lá não eram usados na terra. Decisão meticulosa atrás de decisão meticulosa, ele finalmente encontrou o seu carro, comprou. E não se arrependeu, com o carro sendo usado por ele e pela esposa até hoje - justamente pelo fato de que, por ter racionalizado na escolha do modelo certo, o automóvel preencheu todas as expectativas do casal. 

"Espero que o meu método, que ensino no meu livro, mais completo do que os aspectos da minha história, seja útil para as pessoas, como tem sido para mim e para os meus clientes", afirma Mattera. Sobre o carro que ele comprou nesta história? "Prefiro não contar o modelo, não quero gerar polêmicas desnecessárias. Queria que as pessoas focassem mais nos conceitos que procuro tratar do que no modelo em si!", termina.