Mercado fechará em 4 h 34 min
  • BOVESPA

    129.636,46
    +869,01 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.229,43
    +99,55 (+0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,58
    +0,73 (+1,00%)
     
  • OURO

    1.788,40
    +11,00 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    33.606,53
    +2.648,87 (+8,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    807,94
    -2,25 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.248,21
    +1,77 (+0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.938,51
    -7,07 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.095,11
    +5,10 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.265,50
    +7,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9392
    +0,0194 (+0,33%)
     

Inquérito contra “Bitcoin Loophole” é autorizado pela justiça de São Paulo

·2 minuto de leitura
Mão segurando Bitcoin e martelo da justiça
Mão segurando Bitcoin e martelo da justiça

A justiça de São Paulo autorizou nos últimos dias a abertura de um inquérito policial contra o esquema fraudulento conhecido como Bitcoin Loophole – um golpe que utiliza a imagem de pessoas famosas pelo mundo para promover falsos investimentos com criptomoedas.

No Brasil, Tiago Leifert é um dos famosos que tiveram a imagem usada no golpe. Prometendo lucros altos e garantidos no mercado, os golpistas causaram problemas para o apresentador do BBB, que teve até que desmentir que investia em criptomoedas.

Na última semana, a modelo Melina Ramirez, também afetada pelo mesmo golpe, também desmentiu sua participação no mercado de criptomoedas.

O golpe tem um modus operandi claro, que é criar sites falsos com a imagem de famosos, afirmando que eles são investidores de Bitcoin Loophole. Contudo, como essa seria uma moeda melhor que o Bitcoin, “bancos e grandes empresas estariam buscando censurar a nova tecnologia”.

Essa história infelizmente convence muitos investidores, que ao depositar Bitcoin no golpe site, acabam perdendo tudo.

Apesar de o Bitcoin Loophole ser um dos nomes comuns do golpe, Bitcoin Era, Bitcoin Pro, e Bitcoin Revolution também são citados nas mesmas páginas falsas, que costumam circular em grupos de WhatsApp e redes sociais.

Justiça autoriza inquérito policial contra Bitcoin Loophole

A justiça de São Paulo autorizou as autoridades policiais brasileiras a perseguirem os rastros da Bitcoin Loophole no Brasil. A decisão foi publicada no Diário de Justiça de SP nesta terça-feira (1).

O crime será julgado de acordo com a Lei n.º 8.137/1990, que dispõe sobre os crimes contra a ordem tributária. Essa relação de consumo abusiva pode levar um condenado a pena máxima de prisão em 5 anos mais multa de até R$ 2 milhões, podendo ser agravada, dependendo da decisão do juiz.

O órgão responsável pela investigação será a Divisão de Investigações sobre Infrações contra o Consumidor (DIICC), divisão de inteligência do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), da Polícia Civil de São Paulo capital.

A decisão foi dada pela juíza Julia Martinez na última segunda-feira (31), após manifestação do Ministério Público de São Paulo. O caso será enviado para um juizado especial criminal competente, que irá julgar o possível golpe Bitcoin Loophole no Brasil pela primeira vez.

Vale o destaque que autoridades de vários países já procuram os responsáveis por criar este golpe, que não é exclusivo do Brasil e funciona apenas pela internet.

Esse golpe que já atacou vítimas pelo mundo pode ser operado da Rússia, de acordo o The Guardian.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos