Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.586,40
    +151,83 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,75
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Iniciativa do Movimento Sem Teto preocupa círculo de Lula

RIO DE JANEIRO, RJ - SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Aliados do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), receberam com preocupação a intenção do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) de ir às estradas desobstruir os bloqueios montados por bolsonaristas.

No entorno do presidente eleito, a orientação tem sido deixar claro que essa é uma responsabilidade do governo de Jair Bolsonaro (PL), cabendo a ele arcar com os prejuízos decorrentes do protesto.

Com a iniciativa do MTST, o temor é que bolsonaristas provoquem confrontos e atribuam a apoiadores de Lula o início do conflito.

Segundo a coluna de Mônica Bergamo, o Movimento Sem Teto vai enviar milhares de militantes às estradas bloqueadas por bolsonaristas para retirar as barricadas que impedem a passagem dos carros.

O movimento, que tem entre seus coordenadores o deputado federal eleito Guilherme Boulos (PSOL-SP), diz que decidiu tomar uma atitude depois de ver que os bloqueios estão acontecendo "com a complacência" da PRF (Polícia Rodoviária Federal), sob o comando do governo federal.

"Esperamos ser tão bem recebidos pelas forças de segurança quanto os bolsonaristas estão sendo", diz o MTST.

Líder do MST, João Paulo Rodrigues foi às redes sociais receitar calma. "Povo de luta, o momento agora e celebrar nossa vitoria e acalmar nosso Brasil, Cabe a estado e suas instituições reprimir essa onda golpista (já esperada, né?) e Iniciar a transição para novo governo. As nossas organizações não devem cair nas provocação e seguir denunciando o golpismo", publicou.

Em nota, os presidentes das centrais sindicais também recomendam cautela e cobram resposta do governo federal.

"Não podemos aceitar uma espécie de 3º turno que setores políticos isolados do bolsonarismo tentam, numa estratégia golpista e antidemocrática, submeter a sociedade brasileira através de tumultos, bloqueios de rodovias e outras manifestações sem respaldo político e popular."

Segundo a nota das centrais, "é inaceitável e criminosa a posição adotada por setores partidarizados dos órgãos de segurança -em especial da PRF- que prevaricam no cumprimento de suas funções e obrigações legais e constitucionais".

"Conclamamos urgentemente que os governos federal e estaduais, as instituições democráticas, em todas as formas da lei, adotem todas as providências", acrescenta.

No documento, as centrais destacam que "o movimento sindical não aceite provocações e radicalismos".

Coordenador da Central dos Movimentos Populares, Raimundo Bonfim disse que não ficarão inertes frente ao que chamam de "tentativa de golpe por parte de segmentos bolsonaristas e caminhoneiros apoiados por grupos do agronegócio". "Lutaremos por um governo democrático-popular, enfrentaremos o bolsonarismo que precisa ser derrotado na sociedade. Respeito a soberania popular do voto."