Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.138,61
    -3.937,65 (-7,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Inglaterra aprova tratamento injetável de longa duração para HIV

·1 min de leitura

Nesta quinta-feira (18), o departamento de saúde da Inglaterra — National Institute for Health and Care Excellence — aprovou um tratamento injetável de longa duração destinado a combater o HIV. A ideia por trás do medicamento é manter o vírus sob controle, como já fazem os antirretrovirais, substituindo assim os comprimidos.

Cerca de 13 mil pacientes serão contemplados com a possibilidade de optar pelo tratamento em questão, que consiste em cabotegravir (fabricado pela ViiV Healthcare) e rilpivirina (fabricado pela Janssen, a mesma por trás daquela vacina contra covid-19 de dose única) administrados em duas injecções separadas a cada dois meses. Antes de iniciar a administração das injeções, a pessoa deve tomar diariamente as formulações orais de cabotegravir e de rilpivirina por um mês para comprovar boa tolerância às drogas e monitorar eventos adversos.

Inglaterra aprova tratamento injetável de longa duração para HIV, substituindo comprimidos (Imagem: Ha4ipuri/envato)
Inglaterra aprova tratamento injetável de longa duração para HIV, substituindo comprimidos (Imagem: Ha4ipuri/envato)

Vale lembrar que o tratamento de longa duração é adequado apenas para os pacientes que já atingiram níveis indetectáveis ​​de vírus no sangue. A principal vantagem é tomar injeções seis vezes por ano em vez de tomar uma medicação diária.

No início do ano, a ciência deu um passo a mais na luta contra o HIV, com o desenvolvimento de uma vacina que chegou a obter sucesso durante os estudos clínicos de Fase 1 em humanos. A proposta dessa vacina é estimular o corpo a criar anticorpos que possam neutralizar diferentes cepas do agente infeccioso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos