Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.621,58
    -969,83 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    -373,84 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,84
    +0,06 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.820,30
    +2,80 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    20.032,96
    -289,55 (-1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,89
    -9,77 (-2,22%)
     
  • S&P500

    3.818,83
    -2,72 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.029,31
    +82,32 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.312,32
    -11,09 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    22.015,13
    +18,24 (+0,08%)
     
  • NIKKEI

    26.579,81
    -224,79 (-0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.654,25
    -36,75 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4302
    +0,0196 (+0,36%)
     

Ingenuity faz 29º voo em Marte mesmo após perder um de seus sensores de direção

O helicóptero Ingenuity, da NASA, realizou seu 29° voo em Marte no fim de semana passado. É a primeira vez que a pequena aeronave decola após perder um sensor de direção, equipamento fundamental para os voos.

A aeronave se manteve no ar por 66,6 segundos, percorrendo uma distância de 179 metros a uma velocidade de 5,5 m/s, em direção ao sudoeste da cratera Jezero para ficar mais próximo do rover Perseverance.

Há alguns dias, a equipe da missão observou que quantidades crescentes de poeira combinadas com temperaturas diurnas mais baixas e dias mais curtos estão reduzindo a produção de energia do helicóptero, que passou a ser desligado durante a noite. No entanto, esta operação oferece grande risco aos componentes, que não foram projetados para sobreviver a tamanho frio: a temperatura interna da aeronave cai para 112 °C negativos.

Inclinômetro simulado

Recentemente, enquanto a equipe realizava uma série de verificações na aeronave antes de um novo voo, ela notou que um inclinômetro parou de funcionar. Para voar em Marte, o Ingenuity se vale de três sensores: uma unidade de medida inercial (IMU), que mede acelerações e inclinação em três eixos; um telêmetro a laser, que mede a distância até o chão; e uma câmera de navegação, que faz fotos do solo abaixo.

O Ingenuity superou e muito a sua missão inicial de apenas cinco voos (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/ASU/MSSS)
O Ingenuity superou e muito a sua missão inicial de apenas cinco voos (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/ASU/MSSS)

Os dados de todos estes sensores são processados por algoritmos no computador de navegação do helicóptero. Mas, para que estes algoritmos funcionem, eles precisam de uma estimativa de atitude e inclinação do Ingenuity. E a inclinação é fornecida pelo inclinômetro, parte da IMU, que parou de funcionar.

O Ingenuity não precisa do inclinômetro em si para voar, mas, sem ele, seria preciso encontrar outra maneira de inicializar os algoritmos de navegação antes da decolagem. Felizmente a equipe conseguiu fazer uso criativo da IMU para fornecer os dados que faltam, permitindo que o helicóptero remote os vôos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos