Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,90 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,75 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +0,03 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +11,40 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    19.429,51
    +177,65 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,11 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,38 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    -0,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5595
    +0,0539 (+0,98%)
     

2,8 milhões de trabalhadores deixaram de ter CLT

man with Brazilian work card. concept of employment and salary increase. Translation: Work and Social Security Card, in Portuguese
Cada vez menos pessoas estão trabalhando com os direitos da CLT (Getty Image)
  • Ao menos 2,8 milhões deixaram de exercer atividade remunerada com CLT

  • Cresce o número de trabalhadores informais sem direitos trabalhistas

  • Autor de estudo diz que esse é um movimento de precarização

Direito trabalhista é coisa do passado, a moda agora é trabalhar sem ser registrado. Ao menos essa é a realidade de ao menos 2,8 milhões de trabalhadores brasileiros que deixaram de trabalhar no regime CLT.

No primeiro trimestre deste ano, apenas 38,1% do brasileiros trabalham na modalidade, conforme informações divulgadas pelo levantamento da LCA Consultores, a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) do IBGE.

Isso significa que o número reduziu consideravelmente desde 2014, totalizando mais de 2 milhões de pessoas deixassem de ter a segurança do trabalho com registro. Atualmente, 36,3 milhões de pessoas trabalham com carteira assinada. Em 2014, eram 39,1 milhões.

Esse cálculo considera os trabalhadores do setor privado no regime CLT e domésticos com carteira assinada, sem levar em consideração os 11,2 milhões funcionários do setor público.

Ao mesmo tempo, a quantidade pessoas que exercem atividade remunerada por conta própria ou sem registro em carteira aumentou em 6,3 milhões em apenas 8 anos.

Com altos níveis de desemprego e com as contas cada vez mais caras, os brasileiros têm aceitado trabalhar sem registro para conseguir alguma fonte de renda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos