Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.105,82
    +337,76 (+1,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Informação que Russomanno diz estar ‘em toda rede’ só foi postada por jornalista bolsonarista e durante debate

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
Celso Russomanno, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo Republicanos, e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se encontram no aeroporto de Congonhas
Celso Russomanno é o candidato escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro em São Paulo (Foto: Reprodução)

Durante o debate promovido por UOL e Folha de S. Paulo, Celso Russomanno (Republicanos), acusou o candidato do PSOL, Guilherme Boulos, de ter contratado empresas fantasmas para trabalharem na campanha.

Segundo Russomanno, a informação está “em toda a rede”. No entanto, o único material que há sobre o assunto na internet foi divulgado durante o debate, por volta das 10h30. A publicação foi feita no YouTube por um comunicador bolsonarista, Oswaldo Eustáqui. Celso Russomanno é o candidato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em São Paulo.

Captura de tela foi feita às 11h36. Material foi publicado por volta das 10h30, durante o debate (Foto: Reprodução)
Captura de tela foi feita às 11h36. Material foi publicado por volta das 10h30, durante o debate (Foto: Reprodução)

Oswaldo Eustáquio foi preso pela Polícia Federal em junho de 2020 no âmbito da Operação Lume, que investiga atos antidemocráticos organizados por apoiadores do presidente. As principais pautas era o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. No mês seguinte, STF soltou Eustáquio, mas ele está impedido de ir à Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Boulos, ao ser questionado, disse não saber de nenhuma denúncia e optou por não responder o oponente. Os dois brigam por uma vaga no segundo turno. Segundo a última pesquisa Ibope, o candidato do PSOL tem 13% das intenções de voto, enquanto Russomanno tem 12%.

Leia também

O candidato do Republicanos tinha dados detalhados da acusação, como valores que teriam sido repassados por Guilherme Boulos. A reportagem questionou a assessoria de imprensa do candidato sobre como ele tinha os dados, já que estava no estúdio.

As mediadoras do debate pediram para que os candidatos não mexessem no celular, mas não direcionaram a nenhum deles especificamente.

A campanha de Guilherme Boulos afirmou que Eustáquio é “um difamador bolsonarista profissional” e alegou que as empresas prestadoras de serviço estão em home-office por conta da pandemia de coronavírus e estão abertas para qualquer esclarecimento. Leia a nota completa:

O pseudo "jornalista” que fez a "denúncia" utilizada por Russomanno no debate da UOL/Folha e o Osvaldo Eustaquio Filho. Basta olhar no Google: é um difamador bolsonarista profissional. Já foi pra cadeia. Incitou manifestações contra o STF e a favor da ditadura.

As empresas prestadoras de serviço estão trabalhando em home-office por conta da Pandemia, conforme está no próprio contrato da campanha. E estão abertas para qualquer esclarecimento.