Mercado fechará em 34 mins
  • BOVESPA

    121.591,19
    +1.670,58 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.200,16
    +265,25 (+0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,78
    +0,07 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.831,90
    +16,20 (+0,89%)
     
  • BTC-USD

    57.569,19
    +2.034,66 (+3,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.487,13
    +51,35 (+3,58%)
     
  • S&P500

    4.234,66
    +33,04 (+0,79%)
     
  • DOW JONES

    34.782,92
    +234,39 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.738,50
    +140,75 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3497
    -0,0169 (-0,27%)
     

Informações essenciais sobre o helicóptero Ingenuity da NASA

Issam AHMED
·3 minuto de leitura
Mais de um mês após a Ingenuity chegar até Marte, a NASA anunciou uma surpresa: enrolada em um cabo sob seu painel está uma pequena amostra de tecido que já fez parte da asa do avião do irmãos Wright

A NASA fez história nesta segunda-feira (19) ao conseguir que o pequeno helicóptero Ingenuity voasse com sucesso em Marte, tornando-se a primeira aeronave motorizada a voar em outro planeta.

Aqui estão alguns fatos fundamentais sobre o Ingenuity.

- Tecnologia de teste -

O primeiro voo do pequeno helicóptero durou 39,1 segundos, ao subir a uma altura de três metros até voltar à superfície de Marte.

Embora tenha a capacidade de voar por 90 segundos e percorrer uma distância de até 300 metros, suas viagens de teste são intencionalmente reduzidas, pois se destinam apenas a testar se a tecnologia funciona corretamente.

O Ingenuity não está coletando dados científicos sobre Marte ou ajudando na busca de vida microbiana do passado.

Outros exemplos de tecnologia anteriores incluem a do rover do Mars Pathfinder, o Sojourner, que foi o primeiro a explorar outro planeta em 1997.

Espera-se que, um dia, uma futura aeronave possa ajudar a revolucionar a exploração de corpos celestes, indo mais longe e mais rápido que os rovers, chegando também a áreas de difícil acesso.

A NASA já se prepara para enviar o Dragonfly - um helicóptero de pouso muito maior - até Titã, a lua gelada de Saturno, onde fará inúmeras saídas em busca de vida extraterrestre.

O Dragonfly decolará em 2026 e deve chegar ao seu destino em 2034.

- Contra o frio -

Encaixado na parte inferior do Perseverance, o primeiro objetivo do Ingenuity era suportar a decolagem na Terra, atravessar o espaço e pousar em Marte.

Uma vez no planeta vermelho, teria que ser desacoplado e movimentar-se na superfície marciana, enquanto o Perserverance acelerou rápido o suficiente para não projetar sua sombra sobre ele, o que não permitiria que seus painéis solares carregassem.

Isso foi necessário para que o Ingenuity pudesse usar seus próprios aquecedores internos e, assim, sobreviver na noite fria de Marte.

As temperaturas na cratera Jezero, ao norte do equador, caem para até -90º Celsius, o que pode quebrar os componentes eletrônicos do helicóptero.

O simples fato de subir na complexa atmosfera de Marte - com apenas 1% da densidade da Terra - já representa um desafio tecnológico maior.

Os engenheiros do Laboratório de Propulsão a Jato passaram seis anos desenvolvendo uma nave ultraleve, mas poderosa o suficiente para voar.

Suas turbinas de 1,2 metros giram a 2.400 rpm, cerca de cinco vezes mais rápido que um helicóptero na Terra. A estrutura tem 0,49 metros de altura e pesa apenas 1,8 quilos.

A engenhosidade é igualmente beneficiada pela fraca gravidade de Marte, apenas um terço da existente na Terra.

- Problema -

Seu primeiro voo estava planejado para 11 de abril, mas foi adiado depois que o helicóptero não conseguiu executar com sucesso um teste de alta velocidade de seus propulsores dois dias antes.

A NASA identificou um problema de software, especificamente um problema no "temporizador de vigilância", que alerta o Ingenuity sobre possíveis problemas e interrompe seus processos se achar que detectou um erro.

Os engenheiros fizeram um ajuste de código que corrigiu a questão e permitiu que o helicóptero entrasse no "modo de voo" corretamente.

Ainda assim, a equipe da Ingenuity - liderada pelo engenheiro birmanês-americano MiMi Aung - estava apenas 85% convencida de que a solução era eficaz.

Caso não tivesse funcionado, tinham outra ideia muito útil quando alguém se depara com qualquer dúvida técnica em qualquer lugar do mundo: reinstalar o software de voo e reiniciá-lo.

Incapaz de ser pilotado por um humano por causa da sua grande distância da Terra, o Ingenuity é pré-programado com certos parâmetros e também toma decisões importantes por conta própria durante o voo, usando dados de sensores e câmeras.

ia/ft/rs/lda/bn/am