Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.148,22
    -184,56 (-0,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Influenciadores digitais ganham tanto quanto advogados, revela Adobe

Levantamento recente da Adobe mostra que influenciadores digitais ganham tanto quanto advogados e engenheiros de software. Foto: Getty Creative.
Levantamento recente da Adobe mostra que influenciadores digitais ganham tanto quanto advogados e engenheiros de software. Foto: Getty Creative.
  • Adobe mostra que 165 milhões de pessoas entraram na economia global de criadores de conteúdo nos últimos dois anos;

  • Adobe entrevistou 9 mil criadores de conteúdo nos EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Espanha, Austrália, Japão, Coreia do Sul e Brasil;

  • Segundo pesquisa, dinheiro não é o único fator que motiva o crescimento do setor.

A Adobe divulgou nesta semana (25) novo relatório que mostra um crescimento vertiginoso da economia global de criadores nos últimos dois anos. No período, cerca de 165 milhões de criadores de conteúdo se uniram ao ecossistema de monetização de criações nas plataformas de redes sociais.

Segundo a empresa de softwares, “mais da metade (51%) dos influenciadores estão na faixa de renda, ou o equivalente na geração de renda familiar, de mais US$ 100 mil”, por volta de R$ 506 mil, na cotação atual.

O portal Techradar ressaltou que os criadores globais ganham cerca de US$ 61 (R$ 309) por hora, enquanto os influenciadores faturam o equivalente a US$ 81 (R$ 410) por hora.

Leia também:

Para entender o papel da criatividade ao redor do mundo, a Adobe entrevistou 9 mil criadores de conteúdo nos Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Espanha, Austrália, Japão, Coreia do Sul e Brasil.

No Reino Unido estão os produtores que mais ganham, com US$ 146,86 (R$ 743,6) por hora, seguido por Alemanha e EUA, com US$ 126,61 (R$ 641) e US$ 125,43 (R$ 635), respectivamente. São salários comparáveis aos de engenheiros de software e advogados.

Segundo a pesquisa, o dinheiro não é o único fator motivador para o crescimento do setor. Do total, 47% informaram que criar conteúdo é uma necessidade essencial para a saúde mental.

Por volta de 40% dos entrevistados afirmaram que, em longo prazo, desejam se tornar donos dos próprios negócios, faturando por meio de conteúdo online.

Cerca de 54% dos entrevistados estão envolvidos com fotografia, enquanto 30% estão no ramo da escrita criativa e 27% se encontram nas esferas das artes visuais.

A Adobe ainda aponta que os influenciadores gastam 15 horas semanais na produção de seus conteúdos e em sua comercialização. Já os criadores de conteúdo gastam por volta de 9 horas para elaborar suas produções.

*Com informações do Techradar